O isolamento social em tempos de pandemia

O abraço é uma forma de demonstrar diversos sentimentos e emoções, como saudades, alegria, tristeza, carinho. Além disso, ele transmite a energia e o calor humano, também é através dele, que fisicamente, os corações humanos  formam uma conexão direta. Entretanto, em tempos de pandemia do Covid-19, o abraço se tornou uma forma de contágio perigosa, e o que nos era necessidade, passou a ser evitado, assim como qualquer outra forma de contato físico.

Hoje, não abraçar, é uma prova de amor para com quem amamos, podendo salvar a vida de nossos familiares e amigos. Pensando nisso, fica o questionamento, como deixar de lado uma demonstração tão linda de afeto e passar a conviver com a distância em meio ao isolamento social? A necessidade de estarmos juntos dos nossos, deu lugar à necessidade do afastamento, e muitas vezes do isolamento total, tendo como prioridade a proteção da vida de quem nos rodeia.

É neste momento de isolamento social, que buscamos outras formas de nos manter perto de quem amamos, e de repente, só a mensagem de Whatsapp não é mais suficiente para suprir a falta do abraço de nossos entes queridos. Recorremos à chamada de vídeo entre família, ou amigos, e até ligações de áudio mais demoradas. Os olhos passaram a ser a principal porta para expressar amor e carinho, e as palavras ganharam um peso emocional, talvez nunca tão intenso como em outras épocas de nossas vidas.

Principalmente durante esta pandemia, intensifiquemos as orações por nossos familiares, amigos e conhecidos. Peçamos também, a proteção daqueles profissionais que atuam diretamente no combate ao covid-19, médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, seguranças dos hospitais, e serviços gerais. São pessoas que todos os dias colocam suas vidas e de suas famílias em risco para salvar milhares de outras vidas. Oremos ainda, pelas famílias que perderam seus entes queridos, para que Deus lhes dê o devido conforto.

E como cidadãos, façamos a nossa parte, adotando todos os cuidados necessários para o combate ao Coronavírus. Se puder, fique em casa, se proteja e proteja os seus. O abraço pode esperar, e a visita pode ser adiada, lembremos que a vida vem antes de tudo. O isolamento há de acabar, e aos poucos nossas vidas voltarão ao normal e poderemos, então, demonstrar todo nosso amor e carinho abraçando e cuidando de quem amamos. 

Por Suene de Almeida Bezerra

Estudante do 4° período do curso de Jornalismo – Universidade Federal do
Acre- Graduada no curso de Licenciatura em Letras/Espanhol – Universidade
Federal do Acre

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *