Após debates, a reunião das comissões de Orçamento e Finanças, Constituição e Justiça, e de Serviço Pública da Assembleia Legislativa do Acre, aprovou nesta terça-feira ,13, o relatório do deputado Pedro Longo (PV), acerca do projeto de lei instituindo o Auxílio do Bem, concessão de ajuda financeira de até R$150 para 18 mil famílias pobres e abrigados em dez organizações da sociedade civil.

Foram no total, seis votos favoráveis, um contra e uma abstenção para aprovação. O deputado Daniel Zen (PT) entendeu que a votação estava comprometida pela ausência de maiores detalhes sobre a matéria e votou contra. O deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) absteve-se.

Após votação, foram apreciadas as emendas modificativas propostas pelos deputados. A emenda apresentada pelo deputado Roberto Duarte (MDB), que aumentava o valor para R$300 foi rejeitada. Foram 4 votos pela rejeição e 3 pela aprovação. A emenda de autoria de Roberto Duarte (MDB) que incluía famílias do Bolsa Família e CadÚnico também foi reprovada por 4 a 3.

Uma alteração no texto original foi feita para garantir o acesso do benefício às mães adolescentes e não somente maiores de 18 anos, uma sugestão oral do deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) acatada pela base do governo.

Ficou definido entre os deputados que o procurador-geral do Estado, João Paulo Setti, participará de uma audiência pública na quarta-feira, 14, para explicar o contrato com a empresa que vai gerenciar os recursos. Um requerimento foi aprovado convocando o representante do Estado.