Três empresas dos Estados Unidos e uma do Canadá foram selecionadas para operar o Centro Espacial de Alcântara, no Maranhão. Essa foi a primeira etapa da parceria público-privada para a exploração da base de lançamentos aeroespaciais brasileira. O anúncio foi feito nessa quarta-feira pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações.

O presidente da Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais da Aeronáutica, Paulo Roberto Chã, destacou que as operações se dividem em quatro áreas. Para operar o sistema de lançamento VLS foi selecionada a empresa Hyperion. O lançador suborbital será operado pela Orion. E a decolagem a partir do Aeroporto de Alcântara será feita pela Virgin Orbit. Todas essas empresas são dos Estados Unidos. A canadense C6 Launch ficará responsável pelo perfilador de ar.

O comandante da Aeronáutica, Carlos Baptista Junior, participou do anúncio representando o Ministério da Defesa e enumerou o que o Brasil ganha com a entrada em operação do centro espacial, como o intercambio de experiências e conhecimentos.

Para o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, este é apenas o começo da parceria com os Estados Unidos no setor aeroespacial.

O processo de seleção das empresas que vão operar o Centro Espacial de Alcântara levou em consideração critérios de desenvolvimento social, desenvolvimento industrial e incentivo econômico para a região. O presidente Jair Bolsonaro participou do anúncio, mas não discursou.