Abalada emocionalmente depois do forte protesto feito por torcedores na última segunda-feira, a Ponte Preta busca a reabilitação nesta quinta-feira contra um embalado Mirassol. Os dois times se enfrentam a partir das 21 horas, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, pela nona rodada do Campeonato Paulista.

A derrota para a Internacional de Limeira, por 1 a 0, também no Majestoso, causou protesto de torcedores organizados, com direito a pedradas no ônibus da delegação. Além disso, o resultado manteve a Ponte Preta na terceira colocação do Grupo B, com dez pontos, um a menos que a vice-líder Ferroviária.

Por outro lado, o Mirassol vem embalado por duas vitórias seguidas, sendo a última delas sobre o Palmeiras, por 2 a 1, em pleno Allianz Parque. O time é o líder isolado do Grupo D, com 14 pontos, e um resultado positivo nesta noite praticamente garante a classificação às quartas de final.

A má atuação contra a Internacional vai fazer o técnico Fábio Moreno mexer na Ponte Preta. Principal alvo do protesto, o lateral-esquerdo Yuri está abalado e será preservado. Como Jean Carlos ainda não reúne condições, o zagueiro Ruan Renato vai atuar improvisado no setor.

Com isso, Luizão volta ao time titular para atuar ao lado de Rayan na defesa. As outras duas mudanças são no meio de campo. Os volantes Barreto e Léo Naldi serão substituídos por Dawhan e Vini Locatelli, respectivamente. Esse último foi atingido por estilhaços de vidro durante o ataque ao ônibus na última segunda-feira. Sofreu pequenos cortes na mão, braço e joelho.

Diferente do treinador ponte-pretano, Eduardo Baptista vai mexer o menos possível no Mirassol. A única alteração é por questão de suspensão, já que o volante Neto Moura foi expulso diante do Palmeiras. Seu substituto está entre Sousa, Daniel e Eduardo. “São passos que temos dado em busca do primeiro objetivo traçado, que é conseguir a classificação e jogando um futebol agressivo, tentando chegar ao gol a todo momento. Mas é um objetivo por vez e ainda perseguimos a meta inicial, que é a classificação”, disse Baptista.