No início da noite desta quinta-feira, 29, o governador Gladson Cameli se reuniu com secretários em uma coletiva de imprensa para anunciar o alinhamento dos projetos do governo do estado do Acre.
O senador Márcio Bittar participou da coletiva e falou sobre a parceria firmada com o governador Gladson Cameli, em meio às dificuldades da pandemia do Covid-19, que assola o Acre e todo o país. “Quanto mais projetos fizermos e apresentarmos, e o mais rápido possível, maior vai ser o valor do recurso que vamos trazer para o Acre.” Márcio é o relator do orçamento geral da união de 2021.
Márcio destacou ainda que o estado precisa se empenhar para garantir os recursos, “o desafio nosso agora é esse, não perder nenhum centavo, nenhum real, o esforço é esse, a frustração vai ser a gente conseguir isso e de repente uma parte desse dinheiro não chegar, não conseguir o capital, então tem que estar tudo empenhado até o final do ano, se não a gente pode perder algum valor disso”.
Márcio Bittar foi questionado sobre os recursos empregados na obra da ponte do rio Madeira e recursos estruturais para o estado do Acre. “a bancada atual fez o que ela pôde fazer, por exemplo, no ano retrasado, só tinha um milhão no orçamento do país para essa obra, eu e o senador Sérgio Petecão fomos ao relator do orçamento e pedimos a ele, e fizemos um extraordinário de 23 milhões”. O senador frisou também, que conseguiu 100 milhões de reais para usar na recuperação do rio São Francisco.
O senador falou também sobre a estrada que ligará o Acre com o Peru, que tem levantado polêmicas, “agora que eu garanti 40 milhões, que foi o valor que o DNIT pediu para fazer o projeto, no projeto executivo é que vem toda essa preocupação com as comunidades locais, que tipo de obra vai ser possível”.
Márcio afirmou, que ao contrário do que dizem, não será possível abrir fazendas às margens da estrada, “a lei que criou o parque, já previa que dentro dele poderia passar a estrada”. Explicou. O senador disse que a estrada é fundamental para o estado e para a Amazônia.