Esta não foi a primeira vez que Severino, de 55 anos, desapareceu. Laura, a filha, contou ao G1 que o pai, com problemas de alcoolismo, já tinha estado três dias desaparecido. Desta vez, porém, ficou quase um mês fora de casa, sem que a família soubesse se estava vivo ou morto. 

Angustiada com a situação, a filha mobilizou a família e amigos para encontrar o pai, fez apelos nas redes sociais e na imprensa local. 

Ao fim de 26 dias, Severino foi encontrado em Itanhaém, em São Paulo, por uma equipa de assistentes sociais, na última sexta-feira. 

De acordo com a prefeitura, o homem percorreu cerca de 170 km a pé, desde a cidade onde mora, Várzea Paulista, até àquele município. De tanto caminhar, Severino ficou com feridas nos pés.

A equipe que o encontrou relata que Severino estava confuso e que  conseguiram chegar à família dele graças a um caderno do neto que carregava com ele. Apesar de os contatos telefônicos ali registados serem antigos, a assistente social conseguiu falar com Laura, um momento de muita emoção. O reencontro emotivo (que pode ver no G1) com a filha aconteceu, finalmente, este sábado.

Para Maria, a assistente social que conseguiu reunir pai e filha, foi também um momento muito especial. “No meio da pandemia, em que vemos muito egoísmo, tudo o que ela fez para encontrar o pai, o carinho e o cuidado(…) me emocionou muito”, conta.