Após reunião com o governador Gladson Cameli, saiu no Diário Oficial a exoneração do, agora, ex-secretário de Educação Mauro Sérgio. Afastado do cargo para férias, após escândalos na SEE, Mauro deveria ter voltado ao comando da pasta no último dia 20. Agora quem assume a pasta é a professora Socorro Neri, nome já cogitado antes para o cargo.

A Secretaria de Educação virou um epicentro de escândalos e um setor com enorme potencial de desgaste para o atual governo. E a situação do secretário ficou delicada após uma série de escândalos que surgiram em sua gestão. O primeiro deles foi o desvio de recursos destinados à merenda escolar que tem investigação em curso. E as últimas duas operações policiais, a Trojan, que apura a venda de computadores para o setor, e a Pratos Limpos, que investiga suposto superfaturamento na compra dos produtos das cestas básicas distribuídas às famílias dos alunos da rede estadual.

Somados os recursos sob suspeita na SEE ultrapassam os R$ 48 milhões. Somente de verbas destinadas à merenda escolar são apurados a aplicação de R$ 37 milhões em recursos públicos. Outros R$ 10 milhões foram usados para compra de computadores.

Ainda na sexta-feira expirou o prazo do decreto que manteve a subsecretária Andreya Abomorad no comando interino da secretaria de estado de educação. E então surgiu o nome de Socorro Neri como sucessora, a informação foi dada de forma antecipada por fontes do governo.

Rumores de que a ex-prefeita deveria ser convidada para assumir um cargo no governo, surgiram desde o início do ano, após a relação de Socorro e Cameli se estreitar durante as eleições de 2020, na qual ela perdeu nas urnas para o então prefeito, Tião Bocalom. Apesar dos rumores, Socorro negou qualquer boato.

Agora, novamente o nome de Socorro Neri voltou à mídia, desta vez como a mais nova secretária de educação após Mauro Sérgio ser exonerado. A professora entra com a missão de limpar a imagem da SEE após seguidos escândalos envolvendo a instituição.