SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O diretor Giovanni Bianco, 55, fez uma homenagem ao ator Paulo Gustavo, que morreu na última terça-feira (4) após complicações em decorrência da Covid-19. Bianco prometeu que irá editar um livro sobre a carreira do humorista.

Amigo de Paulo Gustavo e Thales Bretas, o diretor foi responsável pela estética em videoclipes de cantoras como Madonna, 62, e Anitta, 27. O último trabalho da artista brasileira, “Girl From Rio”, também é obra de Bianco.

“Você coloriu minha vida, amigo, e te prometo que vou realizar o nosso projeto do seu livro que tem que ser mais lindo e mais luxuoso do que da Gisele (esse era o Paulo, até isso ele me fazia rir!)”, comenta o diretor, que também editou o livro em comemoração aos 20 anos de carreira de Gisele Bundchen.

“Choro por não ter conseguido realizar a tempo de você presenciar ele! Mas vou fazer o livro mais lindo da minha vida! Pois, você meu amor merece tudo! Te amo”, completou Bianco. O humorista foi cremado nesta quinta-feira (6) em uma cerimônia com poucas pessoas.

Thales Bretas, marido de Paulo Gustavo, foi um dos primeiros a chegar ao velório. A mãe do ator, Déa Lúcia, e sua irmã, Ju Amaral, também já estão no local. Amigos próximos do ator estiveram no local para se despedir.

A cerimônia de despedida do ator começou às 8h40 com o velório no salão nobre do crematório. Ela terminou às 14h30 com a benção do reitor do Cristo Redentor Padre Omar.

Paulo Gustavo morreu na última terça-feira (4), aos 42 anos, após quase dois meses internado em um hospital da zona sul do Rio, devido a complicações da Covid. Antes da confirmação de morte, a equipe médica já tinha classificado seu quadro como irreversível.

“Após a constatação da embolia gasosa disseminada ocorrida no último domingo, em decorrência de fístula brônquio-venosa, o estado de saúde do paciente vem deteriorando de forma importante”, afirmava o último boletim médico.

O ator foi internado no dia 13 de março e respondeu bem ao tratamento. Porém, no dia 2 de abril, seu estado piorou e ele passou a respirar com a ajuda de ECMO (Oxigenação por Membrana Extracorpórea), uma espécie de pulmão artificial.

Nos dia seguinte, a equipe médica identificou uma fístula broncopleural, espécie de comunicação anormal entre os brônquios e a pleura, que foi corrigida. Paulo Gustavo também teve que receber uma transfusão de sangue, segundo seu marido.

Dias depois foi realizada uma toracoscopia, na qual uma nova fístula broncopleural foi identificada e corrigida. “Todos os profissionais têm se empenhado incessantemente pela sua recuperação”, afirmou boletim médico divulgado no último dia 11.