A Polícia Militar do Acre (PMAC), por meio do Batalhão de Operações Especiais (Bope), está realizando o 3° Curso de Ações Táticas Especiais. Nesta semana, começaram as atividades referentes à segunda fase do curso, que tem por objetivo qualificar os integrantes das Forças de Segurança Pública, para atuarem em ações de alto risco e complexidade.

O curso iniciou com 41 alunos das Forças de Segurança Estaduais e Federais. Foto: Coordenação do 3º Cate.

O Curso de Ações Táticas Especiais (Cate) tem carga horária de 480 horas, duração aproximada de 45 dias, e 22 disciplinas, entre teóricas e práticas. O treinamento exige muito do potencial físico e mental do profissional, que passa por um rígido período de atividade.

Etapas do curso

Na primeira etapa do curso os alunos passaram pela chamada fase rústica, quando foram submetidos ao estágio de adaptação na selva, apronto operacional, pronto-socorro, marchas, natação utilitária, entre outras atividades.

Na segunda etapa os alunos entram na fase técnico-policial, onde passarão por instruções variadas de técnicas e táticas de combate, tais como: patrulhamento tático, abordagem, armamento e tiro tático, defesa pessoal, uso de equipamentos de baixa letalidade e outras disciplinas.

Seleto grupo de profissionais

O Cate – 2021 se iniciou com 41 alunos e nesta segunda fase do treinamento conta com 14 profissionais que ainda se propõem ao rígido programa de aprimoramento e qualificação profissional. Dentre eles temos 11 policiais militares, 1 policial civil, 1 policial penal e 1 integrante da Polícia Nacional do Peru. O curso é ministrado por militares que compõem o Bope/PMAC.

“Esta capacitação, tem sua base fundamentada na doutrina de ações táticas e operações especiais, sendo extremamente necessário que o discente seja submetido a um treinamento rígido e intenso, levando-o ao limite de esforço físico, psicológico e testagem técnica, pois, após formado, poderá integrar a Companhia de Operações Especiais, do Bope, e será um operador com expertise para atuar nas ocorrências críticas e nos piores cenários, em ambientes urbano e de selva”, disse o tenente-coronel PM Evandro, diretor do 3º Cate/PMAC.