Um homem de 38 anos foi assassinado, na última quarta-feira (11), por um grupo de mais de três dezenas de pessoas, na Argélia, depois de ter sido acusado, injustamente, de ser incendiário e responsável por vários fogos florestais.

De acordo com a Sky News, a vítima chamava-se Djamel Ben Ismail e foi arrastada para fora de uma delegacia onde se encontrava sendo protegido por policiais por conta da “histeria coletiva” do grupo.

Depois disso, o cenário é de terror. O homem foi agredido, esfaqueado e queimado vivo.

Ao contrário do que se pensava, o homem, que era um artista, tinha ido ajudar a combater os incêndios que atingiram, na passada semana, a região montanhosa de Kabyle e mataram pelo menos 47 habitantes e 28 militares, além de centenas de animais.

Já este domingo, a polícia argelina deteve 36 pessoas por ligações ao homicídio, entre as quais três mulheres.