SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Ex-advogado da cantora Ludmilla, 26, Wanderlei Moreira da Costa entrou na Justiça para cobrar da artista um valor superior a R$ 98 mil que ela não teria quitado com ele. Os honorários em aberto são decorrentes de um processo aberto por ambos contra um ato de racismo em 2016.

De acordo com informações do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, o profissional cobra os valores corrigidos desde aquele ano. O processo ainda será julgado.
Procurada, a assessoria de imprensa de Ludmilla diz que “uma vez noticiado o ajuizamento da ação, a cantora aguardará eventual citação para adoção das medidas competentes, o que até o presente momento não ocorreu”.

Wanderlei era o advogado que defendia Ludmilla no caso em que ela acusou a socialite Val Marchiori, 46, de discriminação. No Carnaval de 2016, a cantora desfilava com rainha de bateria do Salgueiro quando a socialite disse que o cabelo da cantora estava “parecendo um Bombril”.

Em março, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro acatou um recurso de Val Marchiori que argumentou que os comentários, feitos durante a transmissão da RedeTV!, foram com relação à fantasia utilizada pela funkeira na ocasião. Ela ficou liberada de pagar indenização.

Nas redes sociais, Ludmilla demonstrou não estar satisfeita com a decisão. “Racismo não é liberdade de expressão”, reclamou.

“‘Sofreu racismo? Fácil. Vai lá e denuncia’, ‘Lugar de racista é na cadeia’, ‘Vocês reclamam demais, é só ir pra Justiça'”, escreveu. “Vocês percebem agora que não é fácil como parece? Essa não é a primeira, segunda ou terceira denuncia que eu faço.”