PORTO ALEGRE, RS (UOL/FOLHAPRESS) – A diretoria do Grêmio revelou, na noite de segunda-feira (30), em reunião no Conselho Deliberativo, detalhes de seis rescisões de contrato recentes. A lista envolve as saídas de Diego Tardelli, Thiago Neves, André, David Braz, Paulo Victor e Vanderlei. O documento viralizou nas redes sociais e teve a veracidade confirmada à reportagem.

De acordo com resumo financeiro mostrado aos conselheiros, o Grêmio acumula R$ 27,5 milhões em seis acordos para rescindir contratos. O acerto mais caro para romper vínculo, entre os citados, foi com Paulo Victor, atualmente no Marítimo, de Portugal.

A tabela apresenta cinco colunas e mostra, ao lado dos jogadores, o valor total do contrato, as cifras do acordo de rescisão, logo depois a diferença e por fim o percentual comparativo entre a quantia original e o acerto para saída antes do final do vínculo.

Diego Tardelli, contratado no início de 2019, tinha contrato de R$ 29,6 milhões com o Grêmio. O jogador assinou a rescisão em janeiro do ano passado e pelo acordo, ficou acertado o pagamento de R$ 4,2 milhões. Ou seja, 85,7% a menos que o previsto no vínculo, R$ 25,3 milhões de diferença.

André, contratado em 2018 após longa negociação com o Sport, tinha contrato com valor de R$ 7,6 milhões. O atacante revelado pelo Santos rescindiu em agosto de 2020 em acordo que custou R$ 5,8 milhões aos cofres do Grêmio. Uma diferença de R$ 1,7 milhão – ou 23,3% entre a quantia total até o fim do contrato e o acerto para rescisão.

Thiago Neves, contratado no início de 2020, tinha contrato com valor de R$ 11,8 milhões. A rescisão assinada em setembro do ano passado fechou acerto em pagamento de R$ 5,3 milhões – 55,09% de diferença em relação ao custo total do vínculo.

Vanderlei, reforço do Grêmio no começo da temporada passada, tinha contrato com valor total de R$ 3,8 milhões. A rescisão assinada em abril de 2021 prevê pagamento de R$ 3,7 milhões – 4,94% de diferença em relação ao custo do vínculo integral.

O acordo entre Grêmio e David Braz foi fechado com uma indenização de R$ 1,3 milhão. O zagueiro assinou com o clube gaúcho em julho de 2019 e o vínculo tinha custo de R$ 2,9 milhões. A rescisão foi acertada em abril de 2021.

Paulo Victor, goleiro ex-Flamengo, foi contratado durante a temporada de 2017 e rescindiu com o Grêmio recentemente. O contrato dele tinha custo de R$ 7,6 milhões, segundo apontamento da diretoria, e o acordo para rescisão foi assinado com indenização de R$ 7 milhões – 7,9% de diferença em relação ao custo original.

A tela com nome de “Rescisões Contratuais” apresenta, na linha final da segunda coluna o total dos seis contratos: R$ 63,5 milhões. Na coluna à direita, o valor total das rescisão chega a R$ 27,512.291,43. E no espaço total para a diferença entre contrato e rescisão, a quantia acumulada citada é de R$ 36.056.558,51 com diferença percentual de 56,7%.

O levantamento deverá ser atualizado em breve. Horas antes, o Grêmio assinou acordo para rescindir o contrato de Maicon. Aos 35 anos, o volante deixa o clube quatro meses antes do final do contrato.

O encontro entre conselheiros e diretoria registrou oficialmente os números de superávit no segundo trimestre da temporada.