O secretário de segurança pública do Acre, coronel Paulo Cézar, rebateu nesta terça-feira, 14, as declarações do policial civil e pré-candidato ao Senado da República pelo Cidadania, Leandro Costa, que colocou as reduções nas mortes violentas no governo Gladson Cameli (Progressistas) em razão de uma trégua entre as facções. As declarações de Costa foram dadas em entrevista exclusiva no Programa Boa Conversa, transmitido pelo ac24horas na noite desta segunda-feira, 13.

Paulo César destacou que a redução nas mortes ocorreu devido a todo um trabalho integrado entre as forças de segurança e salientou a criação do Grupo Especial de Fronteira (Gefron) e adesão ao Programa Nacional de Vigilância das Fronteiras e Divisas (Vigia).

“As execuções que são o marco das facções criminosas são apenas uma das naturezas que integram as mortes violentas intencionais e temos outras como latrocínio, feminicídio e enfrentamento dos policiais ao crime. Saímos de 21 mortes por ação policial para quatro. Nós aumentamos o nível de apreensão de entorpecentes e consequentemente isso impacta na violência e na atuação das facções criminosas. Nós temos operações semanais e de combate ao crime organizado”, afirmou.

“Eu lamento a postura dessa de um profissional de segurança. Ele desqualifica as ações dos colegas e quando a gente tem uma fala dessa em tom de adverso vai de contra esforço de todos os profissionais. Em relação ao ocupar cargos nas gestões anteriores, esses cargos fazem parte da carreira do servidor público que é do Estado”, acrescentou.

Ac 24 Horas