SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O grupo de empresários do setor de turismo que, há quase três meses, lançou o movimento para pedir a volta do horário de verão se surpreendeu com a dimensão que o assunto tomou.

Depois de ver crescer o apoio de entidades representantes de restaurantes, shoppings, setor elétrico e até de defesa dos consumidores, o próximo passo é levar o debate para a população, segundo Fabio Aguayo, diretor da CNTur, que iniciou a pressão sobre o governo, conforme o jornal Folha de S.Paulo antecipou em junho.

Aguayo diz ter percebido que o horário de verão está entre os temas que dividem a polarizada sociedade brasileira e que um termômetro disso aparece nas redes sociais. Portanto, vai lançar um novo esforço na tentativa de chamar para a causa os apoiadores de Bolsonaro, que segundo Aguayo, são os maiores opositores.

“Uma das discussões mais apaixonadas nas redes sociais é o horário de verão. Os bolsonaristas entram em uma coisa surreal. E quem não é, também. Muitos bolsonaristas são contra porque o Bolsonaro é contra. Mas eu já consegui reverter bastante”, diz.

Ele afirma que o presidente pode voltar atrás, assim como fez na semana passada, na crise com o STF (Supremo Tribunal Federal), quando divulgou a nota de recuo dizendo não ter tido a intenção de atacar os outros Poderes nas manifestações do 7 de Setembro.

“Eu entendo que o Bento Albuquerque, o nosso ministro de Minas e Energia, é teimoso também. Ele pegou o espírito do Bolsonaro e não quer recuar. Mas não é questão de umbigo e vaidade. É uma questão nacional”, diz Aguayo.

A extinção do horário de verão, que veio por meio de um decreto ainda em abril de 2019, foi uma das primeiras medidas tomadas por Bolsonaro em seu governo. O presidente sempre reclamou da mudança no relógio, defendendo que ela não gerava economia de energia.

Quando tomou a decisão no inicio do mandato, Bolsonaro também apostava que a produtividade do trabalhador brasileiro aumentaria, porque, segundo ele, o horário de verão afetava o relógio biológico da população.

O Ministério de Minas e Energia avalia que a volta do horário de verão tem impacto limitado no consumo de eletricidade e não ajudaria a enfrentar a atual crise energética. A pasta chegou a negar oficialmente o pedido, mas agora está solicitando novos estudos ao ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico).

“O próximo passo é massificar. Agora, temos que sair do campo da política e das entidades. Agora é o povo entender”, afirma Aguayo, que diz estar convidando entidades de diferentes estados para abrir uma nova campanha com justificativas a favor do horário de verão.

A argumentação é que a volta da mudança no relógio promove economia de energia e favorece a circulação de consumidores em atividades como turismo e restaurantes no início da noite, o que pode ajudar os negócios a se reerguer do baque da pandemia.