O Canadá concedeu asilo a quatro pessoas que esconderam Edward Snowden no seu pequeno apartamento em Hong Kong quando o ex-consultor da NSA estava em fuga, depois de ter roubado documentos confidenciais, revela o The Guardian.

O avião que transportou Supun Thilina Kellapatha, Nadeeka Dilrukshi Nonis e os seus filhos, Sethumdi e Dinath, chegou no aeroporto de Toronto esta terça-feira, e os quatro vão agora seguir para Montreal para “começarem as suas novas vidas”, disse num comunicado a organização não-governamental For the Refugees.

Esta ONG já tinha anteriormente pressionado o governo canadense a conceder asilo a Vanessa Rodel e à filha Keana, que também deram abrigo a Snowden em Hong Kong.

Dos sete ‘anjos da guarda’ que ajudaram Snowden quando estava em fuga, apenas um permanece em Hong Kong. A For the Refugees voltou a insistir junto do governo de Justin Trudeau para que acelere a atribuição do asilo a Ajith Pushpakumara, argumentando que a “sua segurança ainda está em risco” em Hong Kong.

“Estamos satisfeitos com o resultado – pelo menos para seis dos sete. Embora seja bem-vinda a chegada e o começo de um novo capítulo na vida desta família de quatro, não podemos ignorar que o Ajith ficou para trás. Pedimos que o Canadá volte a fazer a coisa certa e dê asilo ao último dos ‘anjos da guarda’ de Snowden antes que seja tarde demais”, afirmou Marc-Andre Seguin, o presidente da For the Refugees, à AFP.

Em 2013, Edward Snowden divulgou milhares de documentos confidenciais que expuseram uma vasta rede de vigilância adotada após os ataques do 11 de Setembro.

Após roubar os documentos, Snowden fugiu dos Estados Unidos. Foi para Hong Kong, mas estava numa situação arriscada. Estes sete ‘anjos da guarda’ ajudaram a escondê-lo e deram-lhe abrigo durante duas semanas, até Snowden conseguir viajar para a Rússia, onde vive atualmente.