Foto: Dell Pinheiro  

Por maioria de 11 a 1, os vereadores da Câmara de Rio Branco aprovou após o retorno da sessão desta quinta-feira, 7, que o Projeto de Lei (PL) que institui a concessão de subsídio tarifário temporário do transporte coletivo urbano fosse incluído na pauta desta quinta-feira (07).

Durante o tempo que a sessão esteve suspensa, os vereadores das Comissões de Constituição e Justiça, Transportes e Finanças se reuniram e aprovaram o PL com o objetivo que o texto fosse incluído na pauta desta quinta-feira (07).

A decisão ocorreu mais de duas horas de reunião após os parlamentares afirmarem que vem sendo criticados em razão da demora na votação do PL pelos trabalhadores do transporte coletivo.

A única que se manifestou contra a inclusão do PL na sessão desta quinta-feira, 7, foi a vereadora Michelle Melo (PDT). O vereador Emerson Jarude (MDB) não compareceu à sessão. Jarude se encontra disputando o campeonato nacional de futebol da OAB fora do Estado e Michelle participa de um curso de capacitação na área de saúde.

Ao ac24horas, os vereadores afirmaram que a urgência em votar o PL se encontra devido a dificuldades encontradas pelos pais de família que trabalham no sistema de transporte coletivo.

Em sua fala, a vereadora Michelle Melo (PDT) criticou o atropelamento do regime interno da Casa Legislativa. “Está sendo feito tudo com muito desrespeito e todos nós queremos que os trabalhadores recebam, mas isso não pode ser custa ao nosso regimento interno”, afirmou.

Com as novas alterações, dos R$ 2,4 milhões, 91,87% serão destinados ao pagamento de verbas salariais em atraso das empresas, referente ao período de dezembro de 2020 a abril de 2021, devidamente demonstrado por meio de extrato bancário ou outro meio juridicamente plausível e 8,17% será destinado ao Sindicato dos Trabalhadores em Transportes de Passageiros e Cargas do Estado do Acre (SINITPAC), para pagamento parcial dos débitos decorrentes dos descontos em folha dos trabalhadores.

“Está sendo feito tudo com muito desrespeito e todos nós queremos que os trabalhadores recebam, mas isso não pode ser custa ao nosso regimento interno.

Ac24horas