Depois de 11 municípios do Acre atingirem a situação de alerta máximo por causa do surto de diarreia, o estado apresentou uma redução dos casos no boletim da semana 39, divulgado nessa quinta-feira (7), e regrediu para a situação de alerta. O estado tem ainda dois óbitos em investigação.

Os dados são do Núcleo das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar (NDTHA) da Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) e mostram que de 3 de janeiro a 2 de outubro foram registrados 20,9 mil casos da doença. No mesmo período do ano passado, foram 13,9 mil.

Os casos começaram a aumentar a partir de 25 de julho, na semana epidemiológica 30 e o estado entrou em surto a partir da semana 32. Com a situação crítica, a Sesacre montou uma sala de situação para monitorar os casos. Uma equipe da Saúde está na regional do Juruá para avaliar o aumento expressivo de casos, principalmente nos municípios de Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima e Rodrigues Alves.

O Chefe do Departamento de Vigilância em Saúde da Sesacre, Gabriel Mesquita, informou ao g1 que a previsão é que na próxima semana seja concluída a investigação que deve apontar as possíveis causas do surto.

Em entrevista à Rede Amazônica Acre nessa quinta, Débora dos Santos, do Núcleo de Doenças Epidemiológicas da Sesacre, disse que o estado apresentou o maior número de notificações dos últimos 10 anos.

“Temos uma série histórica de 10 anos. Infelizmente, a maioria dos municípios ultrapassou essa série histórica, estamos com a maior notificação nesse período de 10 anos. Estamos aqui em Cruzeiro do Sul na quarta semana conseguindo baixar o número”, disse.

Óbitos em investigação

Durante o aumento dos casos, foram registrados dois óbitos de crianças, nas cidades de Feijó e Tarauacá.

Na semana 35 foi registrado um óbito infantil de indígena ocorrido no dia 1º de setembro, no Hospital Geral de Feijó. Na semana 36 mais um óbito foi registrado, no dia 9 de setembro. Uma criança de apenas 7 meses morreu no Hospital Sansão Gomes, em Tarauacá. Os dois casos estão em investigação de acordo com o boletim.

Cruzeiro do Sul registrou 129 no último relatório e tem o maior número de casos do estado, seguido de Feijó (77) e Tarauacá (58).

g1.com/Acre