Novembro Azul é o mês de conscientização sobre saúde do homem. E embarcando nessa causa, que tal falarmos sobre infertilidade masculina e congelamento seminal? “O ser masculino cresce escutando que a responsabilidade de prover é dele”, diz Melissa Cavagnoli, especialista em fertilidade. “Esse pensamento faz parte da nossa sociedade, e para os que têm o quadro de infertilidade, é fundamental, primeiramete, ter o apoio de sua parceira ou parceiro”.

Além do suporte, o homem com essa dificuldade pode realizar tratamentos para amenizar o problema: “O uso de medicamentos para curar infecções no aparelho reprodutor, por exemplo, ajuda a melhorar o fluxo da ejaculação. Pode-se tentar também um tratamento hormonal para que a produção aumente, entre outros”, diz a profissional.

Outro assunto importante que podemos destacar neste momento é o de congelamento seminal. “Existem diversas razões que podem induzir o homem a congelar o seu sêmen, como, por exemplo, cirurgias no aparelho reprodutor que comprometam a produção do esperma, tratamentos de algum tipo de câncer, estresse, atletas que praticam esportes de alta performance, etc”, conta Dra. Amanda Volpato, também especialista em fertilidade.

Confira nossa conversa completa sobre infertilidade masculina e congelamento seminal com as especialistas abaixo:

GQ Brasil: Aproveitando o Novembro Azul: quando o assunto é infertilidade, quais são os cuidados necessários?

Melissa Cavagnoli: A infertilidade masculina pode ser de causa genética ou desenvolvida ao longo do tempo. No primeiro caso, não existem cuidados específicos que poderiam ser adotados. Já no segundo, algumas escolhas simples podem ser feitas para evitá-la, como a busca por uma vida saudável incluindo exercícios físicos de três a cinco vezes por semana, uma noite de sono de seis a oito horas diárias, evitar o consumo excessivo de cafeína e se manter longe do estresse.

Outro ponto importante que deve ser levado em consideração é o corte do uso de drogas ilícitas e lícitas como álcool, cigarro e, principalmente, anabolizantes. Esses são motivos que colaboram, e muito, para o quadro de infertilidade masculina se agravar. Manter-se longe de fatores de risco é essencial quando o assunto é constituir uma família. Além disso, o acompanhamento regular com um médico especialista deve fazer parte da rotina de todos os homens para garantir um diagnóstico precoce caso o quadro de infertilidade seja considerado.

GQ Brasil: A infertilidade masculina ainda é tabu para muitas pessoas. Qual a melhor maneira de lidar com ela? 

Melissa Cavagnoli: O homem cresce escutando que a responsabilidade de prover é dele. Esse pensamento faz parte da nossa sociedade e para os que têm o quadro de infertilidade como realidade é fundamental ter o apoio e a empatia de sua parceira ou parceiro. Esse é o momento para criar laços com pessoas que possam ajudar a enxergar a situação com olhos de esperança e não de perda.

Por mais que sentimentos de frustração e impotência sejam comuns entre casais que enfrentam esse desafio, a vontade de continuar tentando constituir uma família, de outras formas, deve permanecer. É uma desconstrução desafiadora, por isso, cuidar do equilíbrio emocional é extremamente importante.

GQ Brasil: Há tratamentos que podem ajudar? 

Melissa Cavagnoli: Nestes casos onde a dificuldade de engravidar não parte da mulher, existem diversos tratamentos direcionados para cada situação. O uso de medicamentos para curar infecções no aparelho reprodutor, por exemplo, ajuda a melhorar o fluxo da ejaculação. O tratamento é feito por meio do uso de antibióticos. Em casos onde a produção de espermatozóides não está adequada pode-se tentar também um tratamento hormonal para que a produção aumente. Essa terapia dura em média 3 meses sob a supervisão de um médico.

Já naqueles onde há dilatação das veias da bolsa escrotal, a cirurgia de varicocele pode ser indicada. Por fim, existem as técnicas de reprodução assistida para situações mais complexas ou naquelas que há um fator relacionado também à parte feminino do casal. A inseminação artificial é um procedimento de baixa complexidade onde o esperma, depois de um preparo adequado em laboratório, é aplicado diretamente no útero; Fertilização in vitro (FIV), onde a fecundação é feita em laboratório e recomendada para quando o homem apresenta uma alteração importante no sêmen como diminuição na quantidade, motilidade e/ou morfologia; e a variação da FIV, A ICSI, onde o espermatozóide é injetado diretamente no citoplasma do óvulo, para casos de alterações graves de espermograma ou contagem muito baixa de espermatozoides. Os tratamentos para infertilidade masculina dependem muito das causas.

GQ Brasil: E o congelamento seminal, quais são as motivações que levam os homens a realizarem o procedimento?

Dra. Amanda Volpato: Existem diversas razões que podem induzir o homem a congelar o seu sêmen, como, por exemplo, cirurgias no aparelho reprodutor que comprometam a produção do esperma, tratamentos de algum tipo de câncer que envolvam rotinas de radioterapia e/ou quimioterapia, excesso de estresse, atletas que praticam esportes de alta performance, entre outros.

GQ Brasil: Como o processo é feito? Quais os preparos e exames necessários?

Dra. Amanda Volpato: O primeiro passo é realizar exames sorológicos e testes de Zika Vírus ou quaisquer doenças infecciosas. Em seguida, o paciente deve se manter abstinente de relações sexuais de dois a sete dias, para que a coleta do material tenha um potencial maior. O sémen é congelado em nitrogênio líquido a -196ºC.

Vale ressaltar que o indicado é que seja congelada mais de uma amostra, de preferência de ejaculações diferentes com intervalos que serão estipulados pelo médico responsável.

GQ Brasil: Os sêmens congelados possuem prazo de validade para uso?

Dra. Amanda Volpato: As amostras de sêmen criopreservadas não possuem um prazo de validade específico. Elas podem ficar armazenadas por tempo indeterminado.

GQ Brasil: Equilíbrio do corpo e emocional – Como esses pilares podem melhorar o organismo em si?

Jackie Yue: O equilíbrio entre corpo e mente é a principal busca do ser humano. Esse balanceamento conquista o bem-estar físico, mental e social. Quando a pessoa está afastada de um conceito integral de equilíbrio ela acaba se afastando do seu caminho de vida e de sua missão, por isso ela se desequilibra e pode adoecer, e manifesta esse desequilíbrio em forma de sintomas físicos, emocionais e mentais. 

No momento de ter um bebê, também uma grande representação da vida, é muito importante buscar esse equilíbrio, para que tudo nessa jornada aconteça da melhor forma possível.


Jackie Yue, alquimista floral e CEO AlkhemyLab by Joel Aleixo, Dra. Amanda Volpato e Dra. Melissa Cavagnoli, médicas ginecologistas especialistas em fertilidade, reprodução assistida e fertilização in vitro com um atendimento humanizado e personalizado. Elas comandam a clínica Hope de fertilização.

Fonte: gq.globo