“Tudo é sobre sexo, exceto o sexo. Sexo é sobre poder”, disse Frank Underwood em House of Cards. Na série da Netflix, o presidente dos Estados Unidos era bissexual e usou algumas vezes a sedução — assim como o prazer carnal — para se tornar mais e mais influente.

Nos últimos anos, o sexo e a sexualidade repercutiram em várias produções de sucesso no cinema, na TV e no streaming. No momento, comenta-se a respeito do filme 365 Dias (ou 365 DNI), também da Netflix, e do reality show de pegação De Férias com o Ex, da MTV.

O alvoroço em torno dessas produções baseadas na lascívia suscita questões sobre o reflexo na vida sexual de quem assiste. Esse incentivo visual faz bem ou mal à saúde mental e ao desempenho entre os lençóis? O blog ouviu a psicóloga e especialista em sexualidade Alessandra Assis.

Por que as pessoas em geral se interessam tanto por produções com conteúdo sexual?
Esse sucesso todo se deve ao combo pessoas bonitas e saradas, pegação, romances, triângulos amorosos, festas, lugares paradisíacos, brigas, DRs e reviravoltas. Quem mais assiste a esse tipo de atração está entre 18 e 40 anos, e o motivo principal é a projeção inevitável. Muitas pessoas vivem relações mais rasas e tendem a ver esses filmes e reality shows como espelho de suas vidas e imaginam como seria se fosse com elas. A ludicidade desperta o processo de identificação entre o público e os participantes ou personagens. O conteúdo sexual estimula o imaginário dos telespectadores, desafia os instintos e corrompe tabus, além de satisfazer impulsos de voyeurismo, principalmente nos realities, já que o público sabe que não se trata de ficção. Na TV ou no cinema, o sexo bem explorado e não deturpado pode ser prazeroso para todos. Os homens são mais visuais e apreciam tudo que for predominantemente erótico. As mulheres gostam de fantasiar cenas de submissão, desejo ardente, romance e a ideia de intensidade. Isso acontece especialmente com aquelas que não possuem vida sexual ativa ou estão em um relacionamento morno, sem jogo de sedução, sem criatividade e sem desejo. O sexo é uma via para descobrirmos o que ocultamos de nós mesmos e também uma energia vital, a energia mais forte que temos no nosso corpo. Hoje em dia, poucas pessoas cuidam de seu relacionamento e cultivam a chama sexual acesa. No fundo, buscam em filmes e reality shows um pouco mais de vivacidade como antídoto contra uma vida carregada de automatismo. Fantasiar faz bem e é uma manobra psicológica utilizada para descarregar tensões criadas por uma realidade improvável ou inviável.

Cena de intimidade exibida em De Férias com o Ex, da MTV: o sexo vendido como entretenimento
Cena de intimidade exibida em De Férias com o Ex, da MTV: o sexo vendido como entretenimentoFoto: Reprodução

Fonte: terra.com.br