BRUNNO CARVALHO
SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – O São Paulo sofreu mais do que o necessário, mas deixou o Morumbi com uma vitória por 2 a 1 sobre o Botafogo-SP, neste sábado(19), pela última rodada da fase de grupos do Paulista. Depois de dominar o jogo todo, a equipe de Rogério Ceni garantiu os três pontos apenas aos 40 minutos do segundo tempo, quando Luciano aproveitou rebote de Deivity.

O primeiro gol são-paulino saiu logo aos 4 minutos de jogo, com Rigoni. O argentino poderia ter feito o segundo ainda na etapa inicial, mas chutou para fora um lance praticamente sem goleiro. Na segunda etapa, Nikão perdeu um pênalti, e o Botafogo-SP buscou o empate logo na sequência, com Jean.

A vitória é importante para o São Paulo na busca pela segunda melhor campanha geral, que garantiria o mando de campo em uma possível semifinal. O time de Rogério Ceni foi aos 23 pontos, três a mais que o Corinthians, que enfrenta o Novorizontino neste domingo(20).

O São Paulo se prepara, agora, para as quartas de final. Na terça-feira (22), a equipe recebe o São Bernardo no Morumbi, em jogo único que decide a vaga na semifinal. Um empate levará o jogo para os pênaltis.
De olho na partida das quartas de final contra o São Bernardo, o técnico Rogério Ceni escalou diante do Botafogo-SP uma equipe bastante modificada. A decisão deu espaço para alguns jovens no elenco. O goleiro Thiago Couto fez sua estreia no profissional, enquanto o lateral-direito Nathan foi escalado pela segunda vez na carreira.

Apesar das trocas e da falta de entrosamento da equipe, o São Paulo dominou o Botafogo-SP no primeiro tempo. Mesmo abrindo o placar logo aos 4 minutos, a equipe seguiu no campo de ataque e poderia ter ido para o intervalo com uma vantagem maior.

Apesar de precisar da vitória para avançar para as quartas de final, o Botafogo-SP incomodou o São Paulo pela primeira vez apenas aos 40 minutos do primeiro tempo. Dudu arriscou de fora da área, e Thiago Couto não teve dificuldades para fazer sua primeira defesa como jogador profissional.

Destaque da temporada passada, Emiliano Rigoni teve no primeiro tempo uma das melhores atuações sob o comando de Rogério Ceni. Escalado na função de segundo-atacante, o argentino se movimentou bastante, dando opção para os passes de Nathan e as tabelas com Alisson.

Logo aos quatro minutos, tentou o cruzamento para a Igor Gomes, que não conseguiu desviar. A bola foi em direção ao gol e morreu no fundo das redes, garantindo o segundo tento de Rigoni na temporada.

Aos 37 minutos, ele tinha tudo para coroar a grande exibição. Em um contra-ataque, tocou para Calleri em velocidade e disparou para dentro da área. Quando o companheiro devolveu o passe, Rigoni tinha praticamente o gol todo aberto para fazer o segundo gol, mas acabou chutando para fora. Imediatamente, ele se jogou no chão, lamentando a chance que havia perdido.

O lateral-direito Nathan fez um bom primeiro tempo pelo São Paulo. Além de constantemente acionar Alisson e Rigoni pela direita, o jovem jogador orientou seus companheiros sem a bola como se fosse um veterano.

Na volta do intervalo, um momento curioso aconteceu. Rogério Ceni decidiu trocar Nathan por Talles Costa, mas a troca demorou um pouco para acontecer. O motivo: ninguém sabia o número que Nathan estava usando. O quarto árbitro levou cerca de 30 segundos para anunciar a mudança, o que incluiu uma conversa com Rogério Ceni em busca da resposta. O jovem lateral vestia o número 45.

O São Paulo teve outra chance de aumentar a vantagem no começo do segundo tempo. Aos 14 minutos, Talles recebeu de Alisson, tentou passar pela marcação e caiu. Inicialmente, o árbitro Thiago Luis Scarascati mandou o jogo seguir. Depois de uma consulta ao VAR, contudo, ele anotou a penalidade.

Nikão, que havia entrado na baga de Calleri no intervalo, foi para a cobrança. O ex-jogador do Athletico cobrou fraco e rasteiro, para a fácil defesa do goleiro Deivity.

O São Paulo dominou com tranquilidade o primeiro tempo e boa parte do segundo. Mas conforme o tempo ia passando, a equipe ia diminuindo o ritmo e dando espaços que o Botafogo-SP não tinha antes.

A queda de desempenho custou caro. Aos 18 minutos, Bruno Michel avançou pela direita e saiu na cara do gol de Thiago Couto. O meia chutou e acertou a trave são-paulina. Três minutos mais tarde, contudo, Jean dominou na entrada da área com espaço e chutou forte. A bola novamente bate na trave, mas dessa vez morre no fundo das redes dos donos da casa.

Um movimento da torcida do São Paulo tem sido comum nos últimos jogos. Sempre no intervalo, as arquibancadas começam a gritar “é, Luciano”. Um dos jogadores preferidos dos são-paulinos no atual elenco, o camisa 11 respondeu nos minutos finais de jogo.

Depois que Alisson finalizou, Deivity espalmou a bola para o lado. Luciano apareceu, sozinho, e chutou para fazer o gol da vitória do São Paulo. A comemoração tirou um peso das costas do jogador, que iniciou a temporada machucado. Foi o primeiro gol dele em 2022.

SÃO PAULO
Thiago Couto; Nathan (Talles Costa), Arboleda, Miranda, Welington; Moreira, Patrick (Luciano), Alisson, Igor Gomes; Rigoni (Juan) e Calleri (Nikão). T.: Rogério Ceni.

BOTAFOGO-SP
Deivity; Joseph, Joaquim Henrique e Tárik; Marlon (João Lucas), Emerson Santos, Fillipe Soutto e Jean Victor; Bruno Michel, Matheus Carvalho (Tiago Reis) e Dudu Hatamoto (Mantuan). T.: Leandro Zago.Estádio: Morumbi, em São Paulo (SP)
Público: 21.827
Renda: 645.566,00
Árbitro: Thiago Luis Scarascati
Auxiliares: Luiz Alberto Andrini Nogueira e Daniel Luis Marques
VAR: Rafael Gomes Felix da Silva
Cartões amarelos: Jean (BOT)
Gols: Rigoni (SAO), aos 4’/1ºT; Jean (BOT), aos 21′, e Luciano (SAO), 40’/2ºT