quarta-feira, maio 22, 2024
Política

MDB apresenta Marcus e Petecão, o seu jogo de cartas

O evento de boas-vindas do MDB a Marcus Alexandre, realizado ontem (2), no auditório da Livraria Paim, foi marcado por uma falsa surpresa: a presença do senador pelo PSD do Acre. Sergio Petecão esteve na sede do partido na manhã de sexta-feira. Conversou com os “cabeça branca” da famosa Mesa Azul. O espírito da conversa reservada era “Petecão, não adianta o lundum. Trinca os dentes e segue conosco. Vem com a gente!”

Diplomatas, os homens de direção do Glorioso foram corteses com o dono do PSD acreano. Flaviano Melo e a tropa emedebista sabem que Petecão não tem alternativa viável a não ser reforçar as trincheiras do MDB. Mesmo tendo ciência disto, cuidadosos com a importância dos gestos na política, chamaram o senador para uma conversa prévia.

Preste atenção o leitor: rompido com Tião Bocalom; arrependido também de ter apoiado Gladson Cameli ao governo, restaria a Petecão se encantar pelos músculos e sofisticação retórica de Ulysses Araújo, ou pelo discurso de fortalecimento da iniciativa privada e da política como mera técnica de gestão de Emerson Jarude.

Só não é possível dizer que Petecão está praticamente isolado para a eleição na Capital em função desse varadouro salvador aberto pelo MDB. A fala “o PSD custa entrar, mas quando entra não sai nem com peia” é muito simpática e essencialmente acreana. Mas o próprio senador sabe que é apenas uma frase de efeito. Ela foi dita porque não havia outra coisa a dizer.

O “custar a entrar”, no caso concreto, foi desconstruído pela sinceridade quase juvenil, muito própria do senador em alguns momentos. “O PSD queria ter o ‘Chame Chame’, mas eu acredito que você deve ir para onde se achar melhor”, confessou Petecão ao ex-paquera Marcus Alexandre.

A cena toda é característica de um jogo de cartas conhecido como “Truco”. O que caracteriza o “Truco”? Em boa medida, a malandragem. Nem sempre vence quem tem as melhores cartas. É preciso uma sintonia fina com o parceiro. Um olhar, um gesto, um mungango diferente já comunica ao parceiro se há ou não há cartas que merecem ousadia maior. A dupla oponente, dependendo da postura dos rivais, aceita ou não o desafio. Às vezes, recua. No truco, o raciocínio lógico, racional, é um detalhe. É ou não é a cara do senador?

Isso não significa que o senador não calcule. Aliás, assim como Gladson Cameli, Petecão tem simpatia calculada. Ele sabe que o PSD tem cartas muito fracas. A carta mais forte chama-se Eduardo Ribeiro. E só. Petecão sabe disso. Marcus Alexandre também. Este, também afeito a cálculos, chegou a um número de ouro que conta três letras: M-D-B.

Agora, Chama Chame treina em tocar bumbo, tirar selfie com quem antes queria lhe ver pelo avesso, renovar o guarda-roupa com outra cor e lembrar o passado “defensor da democracia” do Glorioso. De jogo em jogo, as eleições do ano que vem vão tomando forma. Ganha quem manejar melhor as malandragens com as regras na manga.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *