terça-feira, abril 16, 2024
Nacional

Litorais de SP e Rio têm alertas de ventos fortes para esta quarta (8) e quinta (9)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A Defesa Civil paulista e o Centro de Hidrografia da Marinha emitiram, nesta terça-feira (7), alertas de vento forte e rajadas para todo o litoral de São Paulo e para parte da faixa litorânea do Rio de Janeiro.

A previsão é de ventos de aproximadamente 75 km/h, nesta quarta (8) e quinta-feira (9). Essa velocidade é suficiente para derrubada de galhos de árvores e dificulta que uma pessoa caminhe normalmente, por exemplo.

O órgão estadual paulista recomenda que se evite a prática de esportes aquáticos, como surfe, ou influenciados pelo vento, como modalidades à vela.

Apesar dos alertas de vento, há previsão de chuva apenas para sexta-feira (10) na Baixada Santista e no litoral norte paulista.

No Rio de Janeiro, a Marinha afirma que o vento forte será provocado por um sistema de alta pressão que deverá atingir a faixa litorânea entre Arraial do Cabo e São João da Barra.

No fim de semana, por causa de uma ressaca no mar, ondas gigantes invadiram ruas em Ipanema, na zona sul do Rio.

A Marinha havia emitido aviso de ressaca com previsão de ondas de até 3,5 metros entre domingo (5) e segunda-feira (6).

Para esta quarta e quinta, porém, o Centro de Hidrografia diz que não há previsão para formação de ressaca.

“A direção do vento [vindo de nordeste] não é favorável à formação de ressaca, pois não gera ondas perpendiculares à costa”, afirma a Marinha, em nota.

A altura prevista das ondas junto à costa fluminense não deve passar de 2 metros.

PROBLEMAS CONTINUAM

O estado de São Paulo ainda se recupera do forte vendaval da última sexta-feira (3) -em Santos, na Baixada Santista, foram reportadas rajadas de até 151 km/h.

O vento forte provocou quedas de árvores e e de de estruturas em Santos, entre elas a cobertura de um posto de combustíveis na esquina do canal 6 com a avenida da Praia.

Na região metropolitana de São Paulo, cerca de 30,2 mil imóveis ainda continuam sem energia elétrica por causa do apagão iniciado na sexta-feira, quando a tempestade atingiu o estado.

Isso significa que aproximadamente que pouco mais de mil imóveis -entre residências e comércios- enfrentam o segundo dia útil da semana às escuras. Fato que tem gerado indignação, prejuízo e protestos. A queda de árvores por causa do vento forte destruiu redes elétricas.

Segundo a Enel, concessionária responsável pelo fornecimento de energia na capital paulista, cerca de 3.000 profissionais de empresa estão trabalhando nas ruas.

“Devido à complexidade do trabalho para reconstrução da rede atingida por queda de árvores de grande porte e galhos, a recuperação ocorre de forma gradual”, afirma.

Apenas na sexta-feira, o Corpo de Bombeiros afirmou ter recebido 1.281 chamados para quedas de árvores na capital e na região metropolitana.

Nesta terça, os bombeiros e a Defesa Civil confirmaram a oitava morte em decorrência das chuvas no estado: uma pessoa que foi atingida por uma árvore na sexta-feira em Ibiúna (a 69 km de São Paulo), estava internada e não resistiu.

Das oito mortes, cinco foram provocadas por quedas de árvores.

Leia Também: Governo espera ao menos 55 votos para aprovar Reforma Tributária no plenário do Senado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *