sexta-feira, maio 24, 2024
Destaques

Acre enfrenta aumento alarmante de focos de queimadas em setembro

Redação do Amazônia Agora

Nos primeiros oito dias de setembro deste ano, a quantidade de focos de queimadas detectados pelo satélite de referência – AQUA Tarde – do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) está prestes a superar o total registrado em todo o mês de agosto.

Agosto encerrou com 1.388 focos de calor, enquanto setembro já acumula 976, numa tendência ascendente preocupante. Nas 48 horas anteriores à última atualização da plataforma do INPE (Programa Queimadas), o Acre registrou 404 focos, o segundo maior índice do país para o período.

Contudo, ao compararmos os dados do período de 1º de janeiro a 8 de setembro, o estado acumula 2.624 focos de queimadas, uma redução de 60% em relação aos 6.660 do ano anterior no mesmo intervalo, marcando o menor volume dos últimos cinco anos.

O recente aumento de focos nos últimos dois dias colocou três municípios acreanos no ranking dos 10 com maior incidência no país: Feijó lidera em 1º lugar, com 106 focos; Tarauacá em 4º, com 74 focos; e Rio Branco em 9º, com 42 focos.

Em setembro do ano passado, o Acre contabilizou 6.693 focos de queimadas. Já o ano de 2022 fechou com um total de 11.840 focos, o segundo maior volume na série histórica do INPE, que começou a monitorar em 1998.

Impacto na Qualidade do Ar

Um dos efeitos mais significativos do aumento das queimadas é a deterioração da qualidade do ar. Na noite da última sexta-feira, 8, diversas cidades acreanas apresentavam taxas muito acima do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Acrelândia, por exemplo, registrou uma taxa de 134 μg/m³ para um período de 24 horas de exposição. Esse nível indica um alerta de saúde, ou seja, todas as pessoas podem experimentar efeitos mais graves na saúde se expostas por 24 horas.

Conforme as diretrizes mais recentes da OMS para a qualidade do ar, a concentração segura de material particulado no ar deve ser igual ou inferior a 5 μg/m³ para um período de 24 horas de exposição.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *