domingo, maio 19, 2024
Direto de Brasília

Em discurso no G20, Lula fala sobre a tragédia no RS e diz que natureza precisa de mais cuidados

Durante o discurso de encerramento da Cúpula do G20, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) citou a tragédia no Rio Grande do Sul e disse que a natureza precisa de mais cuidados. A última sessão do grupo foi feita neste domingo (10).

A cerimônia marca a passagem da presidência do G20 da Índia para o Brasil. No entanto, oficialmente, o país só assume a liderança do grupo a partir de 1º de dezembro. O mandato brasileiro vai até novembro de 2024.

Ao se dirigir às lideranças dos demais países que integram o bloco, Lula falou sobre as chuvas que afetaram mais de 150 mil pessoas no Rio Grande do Sul. Ao todo, 42 pessoas morreram e outras 46 estão desaparecidas.

“Isso nos chama atenção porque fenômenos como esse têm acontecido nos mais diferentes lugares do nosso planeta”, afirmou.

 

O presidente também cobrou dos demais países vontade política e determinação dos governantes para atuar no combate às mudanças climáticas. Lula pediu mais recursos e transferência de tecnologia.

Brasil na presidência do G20

 

No discurso, Lula adiantou como o Brasil deve trabalhar à frente do G20. Segundo o presidente, a liderança do país se baseará em três prioridades:

  1. inclusão social e combate à fome;
  2. transição energética;
  3. reforma das instituições de governança global.

 

Segundo Lula, o lema da presidência brasileira no G20 será “Construindo um mundo justo e um planeta sustentável”.

Lula prometeu ainda a criação de duas alianças globais, sendo uma para combate à fome e à pobreza e outra para a mudança do clima.

“Precisamos redobrar os esforços para alcançar com a meta de acabar com a fome no mundo até 2030. Caso contrário, estaremos diante do maior fracasso multilateral dos últimos anos”, disse.

 

Além disso, Lula disse que o Brasil pretende organizar os trabalhos do G20 em três orientações gerais:

  • fazer com que as trilhas políticas e de finanças trabalhem de forma mais integrada, com recursos necessários para implementação de políticas públicas;
  • ouvir a sociedade, assegurando a expressão e recomendação de grupos de engajamento;
  • não deixar que questões geopolíticas sequestrem a agenda de discussões do bloco.

 

“Não nos interessa um G20 dividido. Só com uma ação conjunta é que podemos fazer frente aos desafios dos nossos dias. Precisamos de paz e cooperação em vez de conflitos”, afirmou.

 

O Brasil sediará a Cúpula do G20 no Rio de Janeiro em novembro de 2024.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *