script async src="https://pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js?client=ca-pub-2913509317834347" crossorigin="anonymous"> Prefeitura de Rio Branco realiza palestra em alusão ao Setembro Amarelo no Caps II Sumaúma
terça-feira, maio 28, 2024
Mais destaques

Prefeitura de Rio Branco realiza palestra em alusão ao Setembro Amarelo no Caps II Sumaúma

O Setembro Amarelo é um mês que marca a campanha de prevenção ao suicídio. A cor representa a esfera global dedicada à promoção da conscientização sobre a saúde mental e, especificamente, à prevenção do suicídio. Tendo em vista a relevância do tema, a Prefeitura de Rio Branco realiza anualmente atividades que buscam incentivar as pessoas tanto a buscar ajuda como a identificar quando alguém precisa de ajuda.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, por ano, mais de 700 mil pessoas tirem a própria vida em todo o mundo. Ainda de acordo com a organização, o número pode chegar a 1 milhão se forem considerados os casos não registrados. No Brasil, são aproximadamente 14 mil suicídios todos os anos, uma média de 38 pessoas por dia.

Diante disso, a gestão municipal tem atuado de forma incisiva em ações voltadas para o apoio à saúde mental para que o indivíduo em sofrimento saiba que não está sozinho. Nesta quarta- feira (13), foi organizada no Centro Psicossocial de Rio Branco, o CAPS II Samaúma, uma palestra voltada para os clientes e seus familiares visando desmistificar o tema e reforçar a importância da rede de apoio.

A coordenadora assistencial do Caps II Samaúma, Karen Beiruth, explicou que o espaço trata de casos psicológicos graves, mas que a população pode encontrar atendimento para casos leves e moderados em todas as unidades de saúde. A gestora ainda informou que durante todo o mês de setembro a equipe do Caps levará para algumas unidades, palestras voltadas para a conscientização da saúde mental.

“A gente hoje quer conscientizar sobre isso que as pessoas peçam ajuda, tanto para si quanto para um parente ou amigo que chegue a pedir ajuda porque existe um tratamento e acompanhamento e essa é uma forma de prevenção. Hoje estamos tratando prevenção, como fazer, o que fazer e como falar. Hoje, nós temos psicólogos, farmacêuticos, médicos, enfermeiros, vários profissionais aqui hoje trazendo esse tema e discussão com familiares e pacientes no Caps”.

Para somar na roda de conversa com os presentes, a equipe de estagiários do curso de psicologia, que atuam no Centro, também tiveram um momento de diálogo para reforçar como a saúde mental impacta diretamente em todas as áreas da vida de uma pessoa.

“A gente foi convidado pela equipe do Caps Samaúma, eu e os demais estagiários, para termos uma fala com a palestra chamada 'Não é frescura' e é basicamente falar um pouco sobre como funciona a rede, sobre o próprio Setembro Amarelo e saúde mental no geral, porque o nosso entendimento é que a saúde mental não fica só aqui.

Saúde mental é moradia, qualidade de vida”.

A outra palestrante da manhã foi a farmacêutica do Caps, Joquibede Prado, que abordou sobre a área medicamentosa, alertando que os medicamentos vêm pra agregar ao tratamento do cliente.

“A nossa orientação enquanto assistência farmacêutica é desmistificar algumas situações com os nossos clientes, que eles possam estar seguros e tranquilos, pois temos uma equipe integral multidisciplinar e que os medicamentos que estão disponíveis na rede de atenção a saúde mental são seguros, em que nem todos causam dependência, tiram a produtividade desses clientes e a orientação é o primeiro cuidado”.

Keme Regina é cliente do Caps II Samaúma há dois anos, ela parabenizou a iniciativa da municipalidade de promover ações voltadas para a manutenção da saúde mental e agradeceu por tudo que o Centro tem proporcionado para o seu tratamento de depressão.

“Eu queria enfatizar para vocês que não apenas em setembro, mas todos os dias temos que dar importância pra nossa saúde mental, porque se a nossa mente não estiver bem, nenhuma parte do nosso corpo vai estar. E também gostaria de enfatizar que depressão, ansiedade, transtorno bipolar e outros, nada disso é frescura, a gente precisa sim de um apoio, temos que parar com esse preconceito e resistência que temos. Falo até por mim que, antes de procurar o Caps, fui muito resistente e hoje me encontrei neste lugar, me sinto muito bem, apesar de nem todos os dias estar bem, mas todos os dias buscamos viver um dia após o outro”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *