script async src="https://pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js?client=ca-pub-2913509317834347" crossorigin="anonymous"> República Dominicana diz que vai fechar fronteira com Haiti e escala crise regional
terça-feira, maio 28, 2024
Mundo

República Dominicana diz que vai fechar fronteira com Haiti e escala crise regional

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A República Dominicana anunciou nesta quinta (14) que vai fechar sua fronteira com o Haiti a partir desta sexta-feira por tempo indeterminado, ampliando o isolamento da nação vizinha que vive aquela que é considerada a mais grave crise humanitária das Américas.

O presidente dominicano, Luis Abinader, anunciou o fechamento das fronteiras terrestre, marítima e aérea após um conflito que envolve a construção de um canal destinado a desviar as águas de um rio comum para vendê-las a agricultores locais. O projeto é privado e não conta com aval das autoridades de Porto Príncipe.

Poucas horas após a determinação de Abinader, centenas de haitianos que estavam no país vizinho cruzavam a fronteira de volta a sua nação de origem. Segundo relatou a agência Reuters, mais de mil haviam atravessado a fronteira em Ouanaminthe na noite desta quinta-feira.

O líder dominicano descreveu como “uma ação provocativa” e “uma construção totalmente inadequada” o projeto de desvio das águas do rio Massacre. Segundo Santo Domingo, a medida viola o acordo de fronteira dos dois países, que dividem a ilha de Hispaniola no Caribe.

A medida escala o conflito entre as nações. Abinader, com apoio da população, tem adotado uma política linha-dura contra imigrantes haitianos, que chegam em volume expressivo –ONGs locais estimam que de 250 a 300 cheguem diariamente. Na última segunda-feira, seu governo suspendeu a emissão de vistos para haitianos. A administração também já havia bloqueado parte da fronteira terrestre.

“Se há pessoas ‘incontroláveis’ lá [no Haiti], elas serão um problema para o governo haitiano, não para o governo dominicano”, disse o presidente Abinader que, no entanto, afirma seguir tendo conversas com Porto Príncipe em busca de soluções para as rixas regionais.

Especialistas da ONU afirmaram no início da semana que mulheres gestantes e puérperas haitianas que buscavam atendimento médico na República Dominicana teriam sido presas enquanto realizavam exames e deportadas imediatamente, sem possibilidade de apelar da decisão.

O Haiti vive uma grave crise política, social e econômica agravada após o assassinato do presidente Jovenel Moïse em 2021 por mercenários estrangeiros. Com o vácuo no poder –hoje a mais alta autoridade do país é o primeiro-ministro Ariel Henry, alvo de críticas da população e chefe de um governo disfuncional–, gangues urbanas armadas expandiram sua capilaridade e já controlam ao menos 80% de Porto Príncipe.

A República Dominicana fechou sua fronteira com o Haiti pela última vez após o assassinato de Moïse. Desde então, o presidente Abinader tem bloqueado ocasionalmente partes da fronteira e começou a construir um muro entre os dois países, medida controversa e alvo de críticas da comunidade internacional.

Além do dilema migratório –muitos haitianos cruzam para o país vizinho não apenas em busca de serviços básicos, como também em busca de voos, já que são poucos os que partem do Haiti–, há uma incógnita sobre o impacto econômico do fechamento da fronteira.

Mais de 25% das importações oficiais do Haiti têm origem na República Dominicana, que é o terceiro maior parceiro comercial dos haitianos. Dessa maneira, o mercado haitiano também tem relevância considerável para empresários do lado dominicano.

Em 2021, os países emitiram declaração conjunta em que reconheciam um acordo de 1929 que estabelecia que ambos tinham direito de utilizar a água do rio Massacre. As obras para desviar o fluxo, segundo o líder dominicano, não foram autorizadas pelo governo de Ariel Henry e são realizadas por ex-políticos e empresários locais. Luis Abinader, no cargo desde 2020, disse que isso mostra a “desordem crescente” no Haiti e a falta de controle do governo local sobre seu território.

Leia Também: Dezenas de passageiros, incluindo bebê, fogem de casa flutuante em chamas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *