quarta-feira, maio 22, 2024
Nacional

Tarcísio entrega terras com desconto a fazendeiros e é cobrado por tribunal

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) entregará nesta quinta-feira (14) os primeiros títulos de terras devolutas a fazendeiros com base em lei que dá até 90% de desconto.

O assunto é alvo de questionamentos da oposição e, nesta última terça-feira (13), o TCE (Tribunal de Contas do Estado) deu cinco dias para o governo dar explicações sobre o tema.

O evento de entrega acontecerá às 16h30, em Presidente Prudente, no interior do estado. A agenda do governador bolsonarista também incluirá anúncio de recursos para o Hospital Esperança, naquela cidade.

As terras devolutas são áreas públicas ocupadas irregularmente que nunca tiveram uma destinação definida pelo poder público e em nenhum momento tiveram um dono particular.

A lei entrou em vigor na gestão de Rodrigo Garcia (PSDB), mas a administração de Tarcísio, eleito com apoio do agro, passou a colocar em prática e acelerou os processos.

O governo marcou um evento em que dá 33 títulos aos fazendeiros, ao mesmo tempo em concederá títulos a 500 assentados no Pontal do Paranapanema. Para oposição, juntar os dois temas trata-se de uma estratégia para diluir o impacto do programa que beneficia fazendeiros, cuja legalidade será julgada pela ministra do STF, Cármen Lúcia.

Há mais de uma centena de projetos de regularização terras devolutas em grandes e médias propriedades.

Um vídeo revelado pela Folha de S.Paulo mostra o diretor do Itesp (Instituto de Terras de São Paulo), Guilherme Piai, citando que é necessário atuar no processo “enquanto a lei está vigente”. “Agora está acontecendo uma questão política, que também foge da alçada do Itesp, que essa lei tem grandes chances de cair”, disse ele na gravação.

A esquerda já pediu celeridade à ministra sobre o assunto.

O PT foi o autor da ação direta de inconstitucionalidade no STF para barrar a lei. De acordo com a assessoria da sigla na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), a estimativa é que os descontos atinjam R$ 150 milhões.

“Mais de 10 mil hectares de terras que deveriam virar assentamentos de centenas de agricultores familiares, ficarão definitivamente com algumas dezenas de fazendeiros que geralmente possuem mais de uma fazenda”, afirmou o PT, em nota.

O deputado estadual Paulo Fiorilo, do PT, também fez questionamento ao TCE, cobrando uma auditoria sobre o programa e suspensão de deliberações conclusivas sobre o tema.

Antes de decidir sobre o tema, o conselheiro do tribunal Roque Citadini estabeleceu cinco dias para que o governo dê justificativas sobre o projeto e os questionamentos do deputado.

Procurado sobre o assunto, o governo Tarcísio afirmou que “os recursos provenientes destas indenizações são destinados estritamente para políticas públicas de saúde, educação e desenvolvimento social e econômico, priorizando investimentos nos respectivos municípios onde houver a regularização fundiária”.

O governo entregará no mesmo evento títulos a 500 famílias de assentados no Pontal do Paranapanema. A região é cenário de disputas agrárias entre fazendeiro se movimentos como o MST.

Esse tipo de entrega é inspirada em política para o campo no governo de Jair Bolsonaro (PL).

O modelo, porém, é criticado pela esquerda e movimentos sem-terra que veem nisso uma estratégia para esvaziar a reforma agrária. Por outro lado, os defensores dele afirmam que que ela retira os assentados da órbita do MST e movimentos similares, ao dar liberdade para que produzam de acordo com regras de mercado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *