quarta-feira, maio 22, 2024
Mundo

Charles 3º se torna primeiro monarca britânico a discursar no Parlamento francês

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Primeiro monarca britânico a discursar no Parlamento francês, o rei Charles 3º, 74, defendeu nesta quinta-feira (21) o fortalecimento das relações entre os países a despeito do brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia concluída em 2021.

O discurso é considerado histórico devido ao posicionamento antimonarquista adotado pela França desde sua declaração da República, em 1792, em meio à Revolução Francesa (1789-1799). Discursando em francês e tietado pelos legisladores, Charles 3º defendeu novas parcerias entre Paris e Londres para combater a crise do clima –a pauta ambiental sempre foi uma das prioridades na agenda do monarca.

“Gostaria de propor uma Entente pela Sustentabilidade para enfrentar de forma mais eficaz a emergência global em matéria de clima e biodiversidade”, disse o rei, em referência à Entente Cordiale, série de acordos entre Reino Unido e França assinada em 1904 que pôs fim a séculos de conflito entre os países.

O monarca enfatizou os laços políticos, históricos e culturais comuns entre as nações, bem como os desafios mútuos que França e Reino Unido enfrentam atualmente. Segundo o monarca, uma aliança agora é “mais importante que nunca” no contexto da Guerra da Ucrânia, em curso no Leste Europeu há quase 19 meses, e também para “proteger o mundo” do que chamou de ameaças ambientais.

A defesa de ações para conter a mudança do clima foi feita um dia após o premiê britânico, Rishi Sunak, anunciar o adiamento de várias medidas emblemáticas da política climática do Reino Unido, numa decisão criticada como eleitoreira. O principal anúncio diz respeito aos novos carros movidos a gasolina e diesel, que agora terão a venda proibida em 2035, não em 2030.

As ambições climáticas do Reino Unido, que pretende ser neutro em carbono até 2050, foram impactadas pela crise do poder de compra que atinge os britânicos e pelas possíveis repercussões eleitorais para o partido conservador. Sunak já tinha causado comoção em julho, ao prometer centenas de novas licenças para a exploração de petróleo e gás no Mar do Norte.

Em relação ao conflito na Ucrânia, Charles 3º disse diante dos cerca de 300 parlamentares que os russos cometem “agressões injustificadas”. Ele defendeu uma “determinação inabalável” de Londres e Paris para Kiev “triunfar” e para que “prevaleçam liberdades preciosas”.

Ao final do discurso, ele foi aplaudido de pé pelos parlamentares. “O Reino Unido será sempre um dos aliados mais próximos da França e juntos nosso potencial é ilimitado”, disse, comprometendo-se a fazer tudo o que estiver ao seu alcance para fortalecer o que chamou de “relação indispensável” entre os países.

No fim do dia, Charles e sua esposa, a rainha Camilla, devem visitar um mercado de flores em Paris que leva da rainha Elizabeth 2ª, mãe do monarca que morreu aos 96 anos em setembro do ano passado, e a catedral de Notre-Dame, em reforma desde que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019.

No primeiro dia da sua visita à França, na quarta (20), o rei esteve em um jantar no Palácio de Versalhes oferecido pelo presidente Emmanuel Macron. Na ocasião, o líder francês disse que, apesar do brexit, Paris e França continuarão a “escrever juntos parte da história do continente” europeu.

Charles 3º pretendia que sua primeira visita como rei fosse à França, mas a viagem planejada para março teve de ser adiada devido aos protestos violentos em território francês contra uma controversa reforma da Previdência defendida pelo governo Macron.

Leia Também: Biden e Lula discutem eleições e alívio de sanções à Venezuela e crise no Haiti

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *