quarta-feira, abril 24, 2024
Esportes

Brasil repete falhas em campo e sofre derrota histórica para a Argentina em dia de pancadaria

O que aconteceu dentro de campo no Maracanã nesta terça-feira se tornou o menor dos problemas com os quais a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) terá de lidar. A seleção brasileira sofreu uma derrota histórica para a Argentina. Apesar do placar magro, 1 a 0, é a primeira vez que o País perde um jogo como mandante nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo.

Antes de o jogo começar, quando os atletas já estavam no gramado, uma confusão generalizada teve início no setor Sul do estádio. A briga entre torcedores brasileiros e argentinos começou efetivamente durante a execução do Hino argentino. Policiais interviram no confronto e usaram cassetetes. Assentos foram arremessados e pessoas tiveram de pular o muro que separa a arquibancada do gramado. Ao menos quatro foram detidas e duas precisaram de atendimento médico. Diante da pancadaria, o jogo foi atrasado em 27 minutos.

Quando a bola rolou, a tensão das arquibancadas se transferiu para o campo de jogo. Atletas das duas equipes travaram disputas mais ríspidas, mas os brasileiros foram advertidos pela arbitragem chilena pelas faltas cometidas. Nenhuma das seleções conseguiu criar oportunidades claras de gol. Havia muita dificuldade para acertar as assistências.

A Argentina se mostrou mais capaz de provocar desequilíbrio na defesa do Brasil nos primeiros minutos, enquanto os comandados de Fernando Diniz insistiram nos cruzamentos, que em nada assustaram Dibu Martínez. A seleção brasileira tentou pressionar a saída de bola para retomar a posse rapidamente e gerar situações de gol.

Na parte final do primeiro tempo, o Brasil se sentiu mais à vontade no jogo. Os atacantes do Arsenal, Martinelli e Jesus, se movimentaram de forma mais incisiva no setor ofensivo, mas a indecisão e falta de qualidade na finalização impediram a seleção brasileira de inaugurar o marcador.

A falta de entrosamento entre os brasileiros foi nítida, em especial nos lances de ataque. Na bola parada, de fato, o Brasil levava mais perigo e havia melhor organização. Messi pouco fez e não exibiu sua genialidade. Com o apito final no primeiro tempo, vaias ecoaram no Maracanã. A reclamação do torcedor foi condizente com o que se apresentou no gramado. As escolhas de Diniz, que manteve o esquema com quatro atacantes, não se justificaram, uma vez que a seleção novamente apresentou problemas de criatividade e construção de jogadas.

No segundo tempo, a seleção brasileira voltou com a mesma postura. A Argentina, por sua vez, fez um jogo mais conciso, focado em construir seus lances com paciência. E foi assim que os visitantes se aproximaram da meta de Alisson.

Em cobrança de escanteio, aos 18 minutos, a Argentina usou da principal fraqueza brasileira para inaugurar o marcador no Maracanã. O zagueiro Otamendi se desvencilhou da marcação, subiu mais alto e cabeceou no ângulo.

Com o placar adverso, Diniz decidiu colocar o Brasil ainda mais no ataque. O técnico do Fluminense tirou o zagueiro Gabriel Magalhães para colocar o volante Joelinton. Quem também ganhou nova oportunidade foi o garoto Endrick, de 17 anos, que atua no Palmeiras e já está vendido para o Real Madrid. As alterações, porém, não surtiram efeito, e a seleção diminuiu seu ritmo e se desencontrou em campo.

Aos 36, Joelinton, que havia entrado poucos minutos antes, tentou se livrar da marcação do meia De Paul e acertou o rosto do argentino. O brasileiro recebeu cartão vermelho e foi expulso de campo. Depois disso, a partida ficou morna, com raras oportunidades geradas de parte a parte e os argentinos controlando a posse de bola. Gritos de “vergonha” e “olé” foram ouvidos no estádio carioca e torcedores deixaram o local antes mesmo do fim do jogo.

Este deve ter sido o último jogo oficial de Fernando Diniz no comando da seleção brasileira, de acordo com o que anseia a CBF. A entidade tem convicção de que o italiano Carlo Ancelotti, hoje no Real Madrid, assumirá como técnico da equipe a partir de junho de 2024.

A terceira derrota seguida do Brasil nessas Eliminatórias faz o País cair para a sexta colocação, a última que garante vaga direta para o Mundial dos EUA, México e Canadá. A seleção tem apenas sete pontos somados. A Argentina, por sua vez, lidera o torneio, com 15 pontos.

As Eliminatórias Sul-Americanas serão retomadas apenas em setembro de 2024. Na ocasião, o Brasil terá pela frente o duelo com o Equador, em casa. Já a Argentina recebe o Chile. Até lá, as duas seleções farão amistosos, em março e junho, e disputarão a Copa América, entre 20 de junho e 14 de julho de 2024, nos Estados Unidos.

A seleção brasileira entra novamente em campo no dia 23 de março diante da Inglaterra, em Wembley. Depois, o Brasil mede forças com a Espanha. A data ainda não foi confirmada, mas deve ser no dia 26, em Madri, no Estádio Santiago Bernabéu. Messi, que passou em branco na partida, foi substituído aos 30 minutos.

FICHA TÉCNICA

BRASIL x ARGENTINA

BRASIL – Alisson; Emerson Royal, Marquinhos (Nino), Gabriel Magalhães (Joelinton) e Carlos Augusto; André e Bruno Guimarães (Douglas Luiz); Raphinha (Endrick), Rodrygo, Gabriel Jesus e Gabriel Martinelli (Raphael Veiga). Técnico: Fernando Diniz.

ARGENTINA – Dibu Martínez; Molina, Cristian Romero, Otamendi e Acuña (Tagliafico); De Paul, Enzo Fernández (Paredes) e Mac Allister; Lo Celso (Nico González), Messi (Di María) e Julian Álvarez (Lautaro Martínez). Técnico: Lionel Scaloni.

GOL – Otamendi, aos 18 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Carlos Augusto, Raphinha e Gabriel Jesus.

CARTÃO VERMELHO – Joelinton.

ÁRBITRO – Piero Maza (CHI).

PÚBLICO – 68.138 torcedores.

RENDA – R$ 19.989.700,00.

LOCAL – Maracanã, no Rio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *