segunda-feira, abril 22, 2024
Life Style

Maus hábitos podem afetar a saúde dos rins

Responsáveis por remover os resíduos e o excesso de água do organismo, os rins cumprem funções vitais e merecem atenção no check-up médico anual como forma de prevenção de lesões renais, que muitas vezes são identificadas em fases já avançadas.

Segundo estimativa da Organização Internacional World Kidney Day, 10% da população mundial (850 milhões de pessoas) tem alguma doença renal crônica (DRC)i, caracterizada por ser uma lesão com perda progressiva e irreversível da função dos rins.

Para manter o corpo livre de toxinas, os rins precisam de alguns cuidados, e até mesmo algumas mudanças de hábitos. A maneira que lidamos com a nossa rotina pode afetar diretamente a nossa função renal, como a baixa ingestão de água, que pode acumular solutos e formar cristais, que posteriormente resultam em cálculos renais, assim como o excesso de sal na alimentação, que sobrecarrega os rins e eleva a pressão sanguínea.

O controle do nível de açúcar no sangue (glicemia) e o monitoramento da pressão arterial são fundamentais, assim como a prática regular de exercícios físicos que auxiliam a manter o peso ideal, uma vez que a diabetes, hipertensão e obesidade são apontadas como fatores de risco importantes para o desenvolvimento da DRC.

Abandonar o cigarro se configura como um dos principais passos para cuidar dos rins. “O tabagismo representa um fator de risco relevante para doença renal crônica, além de estar relacionado a diversas enfermidades”, explica o Dr. Bruno Zawadzki, diretor médico da DaVita, a maior rede de tratamento renal do país. “Isso acontece porque os agentes químicos absorvidos chegam aos rins por meio da corrente sanguínea”.

O diretor médico destaca que o mesmo acontece com o exagero no consumo de bebidas alcoólicas. “O álcool leva toxinas e componentes agressivos para os rins e fígado, pode causar hipertensão e evoluir para um problema renal”, completa Zawadzki.

Outro fator capaz de prejudicar a saúde dos rins é o uso de medicações de forma indiscriminada, especialmente sem recomendação médica.

Zawadzki também chama atenção para o ato de segurar a urina por muito tempo, pois quando a capacidade de armazenamento da bexiga atinge um certo volume, o organismo cria alertas ao sistema nervoso. “Segurar a urina pode provocar infecção urinária e até favorecer o surgimento de pedra nos rins”, completa o especialista.

Diante de sintomas como alteração na cor e no cheiro da urina, insônia e presença de espuma na urina é importante consultar um nefrologista. Os pacientes com comorbidades devem realizar anualmente o exame de creatinina e verificar se existe perda de proteína na urina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *