segunda-feira, abril 22, 2024
Nacional

Após 55 anos, mulher criada como irmã dos filhos é reconhecida como mãe

Uma mulher que foi criada como irmã dos próprios filhos gêmeos foi reconhecida como mãe pela Justiça após 55 anos. A decisão foi divulgada pela comarca de Joinville, no norte de Santa Catarina, na sexta-feira passada.

O Tribunal de Justiça informou que, agora, o documento dos filhos traz o nome da mãe biológica, mesmo que o pai seja desconhecido. Isso abre a possibilidade de um vínculo entre eles.

A mulher, hoje com 77 anos, deu à luz em 1968, quando ainda era adolescente. Mas seus pais religiosos a impediram de assumir a maternidade. Os avós dos gêmeos registraram os netos como filhos para “salvar a honra da família”.

O namorado da mulher já estava em outro relacionamento quando os gêmeos nasceram. Os avós alegaram que seria uma “humilhação” ter o pai desconhecido e ausente nos documentos.

À Justiça, a mãe das crianças disse que nunca concordou com a decisão dos avós. Mas, sem o namorado e sofrendo pressão psicológica e religiosa dos pais, ela cedeu. Naquela época, ela dependia dos responsáveis para sobreviver.

Na sentença, o juiz explicou que a mãe biológica não pode ser penalizada pela conduta ilegal e irrefletida dos avós, que já morreram. Segundo ele, o casal fez uma “adoção à brasileira”, em que se registra o filho de outra pessoa em seu nome, sem as cautelas judiciais impostas pelo Estado.

“Tendo em conta o grau de eficiência do exame de DNA e as demais provas, o pedido deve ser acolhido. Declaro que os gêmeos são filhos biológicos da requerente, deste modo determino a retificação dos registros de nascimento com o nome da progenitora e que sejam suprimidos os nomes dos pais registrados”, diz a sentença.

O juiz afirmou ainda que os filhos têm direito de “tomar conhecimento real da sua história” e de ter “acesso à sua verdade biológica”.

Leia Também: Disparada de preços na habitação força brasileiros a viverem em barracas em Portugal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *