sábado, março 2, 2024
Mundo

Israel alerta que tempo esgota-se para solução diplomática no sul do Líbano

Israel alertou hoje que o tempo está se esgotando para encontrar uma solução diplomática no sul do Líbano, palco de tiroteios diários há meses entre Israel e o movimento pró-iraniano Hezbollah.

“Israel tomará medidas militares para trazer de volta os cidadãos retirados de suas casas” no norte do país, se não for possível outra solução, afirmou o chefe de diplomacia israelita, Israel Katz, em encontro com o homólogo francês, Stéphane Séjourné, que está em visita a Israel como parte de uma digressão pelo Oriente Médio.

Num comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita reuniu-se com Séjourné para analisar a necessidade de encontrar uma “solução diplomática” para a tensão na fronteira com o Líbano, bem como o futuro da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Médio (UNRWA).

Sobre a situação na fronteira entre Israel e o Líbano, que registra a maior troca de tiros desde 2006, Katz sublinhou que, se não for encontrada uma solução diplomática para a retirada do Hezbollah do sul do Líbano, junto à fronteira desmilitarizada, “Israel atuará militarmente para fazer regressar os cidadãos retirados às suas casas”.

“O ministro Katz agradeceu a Séjourné a decisão de rever o futuro do financiamento da UNRWA, à luz das revelações sobre o envolvimento dos seus funcionários no massacre de 07 de outubro”, lê-se no comunicado.

Depois de a UNRWA ter despedido 13 funcionários e iniciado uma investigação sobre as alegadas ligações ao Hamas e ao envolvimento nos ataques de 07 de outubro, 16 países anunciaram que iam cortar o financiamento à agência, incluindo os Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Alemanha e Japão, o que resultou na perda de mais de metade do seu financiamento.

A França anunciou o congelamento do financiamento da UNRWA durante seis meses, enquanto se aguarda a confirmação das acusações contra a agência, que Israel acusa de “ser o Hamas”.

Katz e Séjourné começaram a trabalhar no sentido de encontrar alternativas para substituir a UNRWA na prestação de ajuda humanitária na Faixa de Gaza quando a guerra terminar, refere o comunicado.

O ministro israelita agradeceu igualmente aos franceses o papel desempenhado no envio de medicamentos para a Faixa de Gaza, há duas semanas, no âmbito de um acordo com o Hamas, mediado pelo Qatar e pela França, alguns dos quais se destinavam a chegar aos restantes reféns no interior da Faixa de Gaza.

O chefe da diplomacia francesa deverá ainda encontrar-se com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e com o presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, em Ramallah, durante a tarde, e visitar familiares dos reféns em Telavive, antes de concluir a visita.

Séjourné encontra-se em Israel para uma semana de visitas diplomáticas muito preenchida, uma vez que o país aguarda também a chegada do Presidente argentino, Javier Milei, na sua primeira viagem oficial ao estrangeiro desde que assumiu o cargo, e do secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, que aterrará no final da semana em curso como última paragem de uma viagem regional ao Oriente Médio para promover uma trégua na Faixa de Gaza.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *