quinta-feira, abril 25, 2024
Esportes

Ederson fica com o prêmio de melhor goleiro do mundo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Ederson foi escolhido pela Fifa (Federação Internacional de Futebol) como o melhor goleiro da temporada 2022/23. O brasileiro de 30 anos foi um dos premiados da cerimônia The Best, realizada em Londres na noite inglesa de segunda-feira (15).

Arqueiro do Manchester City, ele foi um dos responsáveis pelo ano extremamente vitorioso do Manchester City. A equipe azul conquistou o Campeonato Inglês, a Copa da Inglaterra e a Liga dos Campeões da Europa.

Em 51 partidas disputadas -três delas pela seleção brasileira-, Ederson tomou 45 gols. No caminho para o título europeu, buscou a bola no fundo da rede apenas quatro vezes em 11 partidas. Ainda mais impressionante, foi vazado só em três ocasiões nas sete partidas do mata-mata.

O paulista de Osasco se tornou o segundo brasileiro a vencer a eleição de melhor goleiro da Fifa, que tem votos de capitães e técnicos de seleções nacionais, jornalistas e torcedores. Alisson, do Liverpool, ficou com o troféu em 2019.

Para receber o prêmio, Ederson superou o belga Thibaut Courtois, 31, do Real Madrid, e o marroquino Yassine Bono, do Al Hilal. Em seu breve discurso, agradeceu a familiares, treinadores de goleiros do Manchester City e seus companheiros no time.

SELEÇÃO BRASILEIRA E VINICIUS JUNIOR TAMBÉM SÃO PREMIADOS

Fora lista de finalistas ao prêmio de melhor jogador, Vinicius Junior foi incluído na seleção da temporada, que é construída em parceria com a Fifpro, o sindicato mundial dos jogadores de futebol. Foi o único brasileiro da lista, que não tem Ederson.

Vinicius Junior forma o trio de ataque com o argentino Messi, que defendeu o Paris Saint-Germain antes de se transferir ao Inter Miami, e o inglês Bellingham, que chegou ao Real Madrid após período de destaque no Borussia Dortmund.

A seleção brasileira, apesar da fase terrível, também foi premiada. O time verde-amarelo foi agraciado com o prêmio Fifa Fair Play, por reconhecimento de seu ato contra o racismo, com o uso de uniforme preto em amistoso contra Guiné.

Ex-jogadores ilustres subiram ao palco para receber o troféu: Cafu, Roberto Carlos, Julio Cesar, Ronaldo, Belletti e Roque Júnior. “Futebol é uma das maiores ferramentas de inclusão social que existem no mundo. O racismo é uma questão de educação. Vamos educar as pessoas para que possamos viver em um mundo de igualdade”, disse Cafu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *