Vestidos curtos sempre estiveram no radar de noivas e estilistas, especialmente para a cerimônia civil, que costuma ser menor e mais informal. Mas há quem aposte na peça para o casamento em si, como fizeram a cantora Beth Ditto, que elegeu um modelo com saia ampla na altura dos joelhos assinado por Jean Paul Gaultier para seu casamento com Kristen Ogata, e a atriz Thais Fersoza, que usou um curto de renda azul by Lethicia Bronstein para se casar como cantor Michel Teló.

Mas o que antes era uma escolha de poucas, agora se tornou opção de muitas. Com as restrições impostas pela pandemia transformando casamentos em micro eventos, o interesse pelos modelos curtos nunca foi tão grande e, segundo um estudo da plataforma de moda global Lyst, as buscas por esse tipo de peça aumentaram em 170% em 2021, indicando que a tendência veio para ficar.

No alto da página, à esquerda e à direta, looks Viktor & Rolf Bridal. No centro, vestido Vanessa Abbud. Na parte inferior, a partir da esquerda, criações de Oscar de la Renta, Simone Rocha, Amsale Bridal e Emannuelle Junqueira (Foto: Divulgação)
Vestidos de Simone Rocha e Oscar de la Renta (Foto: Divulgação)

“Acredito que os casamentos intimistas contribuíram para isso, com certeza”, opina a consultora de moda Bia Paes de Barros. “De uma maneira geral, as pessoas passaram a enxergar a figura da noiva de uma forma mais casual, seguindo inclusive essa valorização pela simplicidade e pela esportividade que a própria pandemia impôs à moda”, completa.

A procura por ambientes externos e mais seguros para evitar o contágio também ajudou a impulsionar a tendência. “A mudança de cenário, com cerimônias menos urbanas também refletiu no comprimento desse vestido tão emblemático”, diz Bia, que acredita que as brasileiras devem, sim, abraçar a ideia. “O clima tropical, o nosso jeito informal e a maneira com que a mulher se relaciona com seu corpo, de uma forma ou de outra com certa sensualidade, devem fazer essa moda ficar.”

No alto da página, à esquerda e à direta, looks Viktor & Rolf Bridal. No centro, vestido Vanessa Abbud. Na parte inferior, a partir da esquerda, criações de Oscar de la Renta, Simone Rocha, Amsale Bridal e Emannuelle Junqueira (Foto: Divulgação)
Looks Viktor & Rolf Bridal  (Foto: Divulgação)

Para a estilista Vanessa Abbud, o momento de restrição fez as noivas valorizarem mais as pequenas celebrações como a cerimônia civil, um brunch para familiares ou até os elopement weddings, onde apenas o casal está presente. “As minhas clientes que adiaram as datas de casamento não queriam perder o dia que escolheram com tanto carinho, então 95% delas optaram por fazer um novo evento de acordo com as regras atuais e, para isso, buscaram outro tipo de vestido, mais curto”, conta. De olho na demanda, Vanessa desenvolveu uma pequena coleção de cinco modelos mídi que já se expandiu para 13 opções, tamanho o sucesso. “As noivas atuais estão gostando da ideia de ter uma comemoração mais simples e clean para marcar uma data bonita e depois fazer a festa com um vestido longo.”

No alto da página, à esquerda e à direta, looks Viktor & Rolf Bridal. No centro, vestido Vanessa Abbud. Na parte inferior, a partir da esquerda, criações de Oscar de la Renta, Simone Rocha, Amsale Bridal e Emannuelle Junqueira (Foto: Divulgação)
Vestido Emannuelle Junqueira (Foto: Divulgação)

Simplicidade, porém, não significa menos sofisticação e, na linha de Vanessa, o mix de texturas e materiais é essencial para garantir o resultado especial que todo vestido de noiva pede. “Trabalhei com muitos tecidos geométricos, importei rendas em formatos diferentes e explorei aplicações com renda Richelieu.”

Para quem quer investir em comprimentos na altura dos joelhos, a estilista indica sobrecaudas para o religioso, que podem ser tiradas na festa, ou capas. “Acredito que cada mulher deve respeitar o seu próprio estilo, mas a modelagem precisa ser impecável. Me preocupo muito com isso, afinal, se trata de uma data importante que será lembrada para sempre.”

No alto da página, à esquerda e à direta, looks Viktor & Rolf Bridal. No centro, vestido Vanessa Abbud. Na parte inferior, a partir da esquerda, criações de Oscar de la Renta, Simone Rocha, Amsale Bridal e Emannuelle Junqueira (Foto: Divulgação)
Luisa Accorsi com vestido Vanessa Abbud (Foto: Divulgação)

Emannuelle Junqueira também acredita na mistura de texturas e materiais para manter a elegância dos modelos curtos. “Eles não podem ser fluidos como faço com vestidos longos, precisam ter mais força e textura ou um movimento 3D. Sinto essa necessidade para que não fique algo sem sentido”, explica. Para isso, ela aposta em uma parceria com o Studio Drê Magalhães. “Trago o know-how deles com a técnica de cordas e faço aplicações em cima delas, criando um volume diferente”, conta a estilista. “É preciso ousar e construir novas matérias para esses vestidos curtos, porque não temos muita amplitude para trabalhar uma saia, como temos em um longo com 20 metros de tecido.”

Detalhes mais fechados e menos decotes na parte de cima para que o destaque fique nas saias é a sugestão de Bia Paes de Barros para as noivas interessadas nos curtos. “E, para que o vestido não pareça simples, as assimetrias – com saias mais longas na parte de trás – garantem a elegância.” Para a consultora, quanto mais curta e simples a modelagem, mais os bordados e brilhos devem aparecer, e o véu é um bom aliado para finalizar o visual. “São ótimas opções para que a noiva não perca a sua importância e ainda podem deixar os curtos mais discretos, com modelos que façam um contraponto de comprimento com o vestido.”

Fonte: vogue