O primeiro lote com doses da vacina da Pfizer destinada a crianças de 5 a 11 anos que estava marcado para chegar às 23h50 dessa quinta-feira (13) em Rio Branco em um voo doméstico não chegou. O Ministério da Saúde informou que a nova previsão é que as 7,2 mil doses cheguem na no sábado (15) às 21h50, mas não informou o motivo do adiamento.

O avião pousou em Rio Branco, mas sem as vacinas. A Latam, empresa responsável pelo transporte, informou ao g1 que recebeu a carga na manhã desta sexta-feira (14).

As vacinas que chegam neste primeiro momento representam somente 6% do público de crianças que devem ser imunizadas no estado. A estimativa da Secretaria de Saúde do Estado (Sesacre) é vacinar aproximadamente 120 mil crianças de 5 a 11 anos.

A previsão inicial era de que as doses chegariam ao Acre na próxima terça-feira (18), segundo informou ao g1 a gerente do PNI estadual, Renata Quiles. Mas, a data foi adiada.

Após a chegada na Central, em Rio Branco, as doses vão estar disponíveis para os municípios do interior do estado de 24 a 48 horas. “A vacinação deve iniciar no interior somente na segunda [17].”

A Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou, em 16 de dezembro, a vacinação de crianças de 5 a 11 anos.

Emergência e restrição de testes em Rio Branco

A secretária de Saúde de Rio Branco, Sheila Andrade Vieira, deu coletiva na manhã dessa quinta-feira (13) para anunciar novas medidas com relação ao combate e prevenção de Covid-19 no município. A gestora alertou que a capital acreana está com aumento dos casos e enfrenta a terceira onda de Covid-19, além de um surto de gripe.

A equipe de saúde se reuniu com o promotor Gláucio Ney Shiroma Oshiro para debater novas medidas e foi decidido:

  • Restringir testes de Covid somente para sintomáticos ;
  • Convocar cerca de 18 médicos que seguem em greve;
  • Suspender férias, licença-prêmio e folgas de todos os servidores da Saúde;
  • Tornar a Unidade Cláudia Vitorino como o segundo ponto de referência para atendimentos de gripe, das 7h às 22h;
  • Intensificar os atendimentos pelo Telessaúde (O atendimento pode ser feito via telefone, ligando para o (68) 3216-2400, de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h, e aos finais de semana e feriados, das 8h às 17h, ou por chat nas redes sociais da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) nesses mesmos horários.

A secretária informou que as decisões foram tomadas em caráter de emergência porque, segundo ela, a capital vem passando por um alto número de casos não só de Covid, mas também de gripe.

Na segunda (10), o prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, decretou situação de emergência na capital devido ao aumento de casos de gripe e também Covid-19, mesmo sem ter dados exatos sobre esse aumento. O decreto foi publicado na terça (11) no Diário Oficial do estado.

No último boletim da Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre), divulgado nesta quinta-feira (13), o estado acreano registrou, em 24 horas, 431 casos novos de Covid. Ao todo, são 89.244 infectados em todo o estado e deste total 39.154 estão em Rio Branco

Treinamento

As equipes de saúde, tanto da capital como do interior do estado, já começaram a receber capacitação necessária para imunizar esse grupo desde a última sexta-feira (7). O treinamento é feito de forma on-line.

O PNI do Acre tem um cronograma de treinamento das equipes e não haverá cadastramento de crianças. Alguns estados brasileiros fizeram o cadastro de crianças enquanto esperam o envio de doses do governo federal. .

Não será exigida receita médica

Acre não vai exigir prescrição médica para vacinar crianças entre 5 e 11 contra a Covid-19, segundo a Sesacre. Em dezembro do ano passado, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, chegou a afirmar que recomendaria a cobrança do documento.

No último dia 5, o Ministério da Saúde divulgou as regras para a vacinação de crianças de 5 a 11 anos – e abriu mão da exigência de receita médica para imunização desta faixa etária.

De acordo com o governo, a vacinação infantil ocorrerá:

  • em ordem decrescente de idade (das crianças mais velhas para as mais novas), com prioridade para quem tem comorbidade ou deficiência permanente e para crianças quilombolas e indígenas;
  • sem necessidade de autorização por escrito, desde que pai, mãe ou responsável acompanhe a criança no momento da vacinação;
  • com intervalo de oito semanas – um prazo maior que o previsto na bula, de três semanas.