Subvariante foi confirmada em duas pessoas residentes em Manaus A variante ômicron, extremamente transmissível, está sendo substituída no mundo todo por uma subvariante, a BA.2, também conhecida como “ômicron silenciosa”.
Getty Images via BBC
A Fundação de Vigilância em Saúde – Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP) conformou, na quinta-feira (12), a notificação de dois casos de Covid-19 pela subvariante BA.2 da ômicrom, do novo coronavírus (SARS-CoV-2), em Manaus.
De acordo com o alerta, realizado por meio do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde do Amazonas (CIEVS-AM), que também notificou o CIEVS nacional, trata-se de um homem e uma mulher, na faixa etária de 40 a 49 anos, da mesma família e residentes em Manaus, que foram atendidos em serviço de saúde, no dia 13 de abril, na capital. O homem buscou atendimento médico, apresentando sintomas gripais, acompanhado da mulher.
Covid: o que é a ‘ômicron silenciosa’, a subvariante BA.2 que já é dominante no mundo
Os dois foram submetidos a teste de detecção da Covid-19, do tipo antígeno e à coleta de amostra nasofaríngea para processamento de RT-PCR e, em seguida, submetidas a sequenciamento genômico, no Laboratório Central de Saúde Pública do Amazonas (Lacen-AM).
O homem e a mulher receberam diagnóstico positivo para o novo coronavírus e foram orientados a permanecerem em isolamento.
A diretora-presidente da FVS-RCP, Tatyana Amorim, alerta que os dois casos identificados não evoluíram para internação. De acordo com ela, a subvariante BA.2 não está associada a casos graves em decorrência do avanço da vacinação.
Conforme comunicado de risco, tanto o homem como a mulher, identificados com a sublinhagem BA.2, apresentaram sintomas leves e estão vacinados com três doses de imunizantes contra Covid-19.
A coordenadora do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde do Amazonas (CIEVS-AM), vinculado à FVS-RCP, Josielen Amorim, destaca que, diante da identificação dos dois casos da subvariante BA.2, os municípios são orientados sobre a necessidade de intensificar a vigilância epidemiológica da Covid-19, mantendo, inclusive, a testagem de pessoas sintomáticas.