23/10/2020 68992202644

Coluna Palanque

Sem Queimadas

Em Cruzeiro do Sul, MDB estuda substituir candidatura de Fagner por Jéssica Salles

Por Kiara Azevedo 05/10/2020 às 17:58:19

zO drama da família Sales em Cruzeiro do Sul

O crescimento vertiginoso e visível do nome do Sargento Adonis nas ruas de Cruzeiro do Sul como candidato a prefeito do município pelo PSL é causa de preocupação – muita preocupação mesmo ! – no clã dos Sales, cujo filho, Fagner, disputa a eleição pelo MDB. O problema é que o filho do ex-prefeito Vagner e da deputada estadual Antônia Sales não cresce na aceitação popular conforme esperado pelo MDB do município e pelo próprio ex-prefeito, que vem a ser o mentor da candidatura do rapaz, já que ele próprio, por uma série de irregularidades ao longo da vida pública, incluindo os oito anos em que passou como prefeito de Cruzeiro do Sul, está impedido de concorrer. Com o impedimento e a decepção com o nome de Fagner Sales, não será surpresa se, nos próximos dias, Vagner Sales substituir o filho pela filha Jéssica Sales, deputada federal já em segundo mandato e com densidade eleitoral comprovada na região.


Jéssica tem motivos de sobra não deixar Brasília

O problema é que Vagner Sales esbarra nos quereres dos filhos. Consta que a deputada Jéssica Salles, por conta da boa vida que leva em Brasília, podendo manter seu relacionamento amoroso de forma discreta e longe dos olhos conservadores da família e da própria população de Cruzeiro do Sul, não quer vir para o município nem a pau. Além disso, há o risco de, com a troca, nem assim o MDB ganhar a eleição. E em caso de derrota, o nome de Jéssica Sales sairia arranhado para uma disputa maior em 2022, como uma cadeira no Senado da República, por exemplo – o grande sonho dela e de toda a família.

Vagner está no mato sem cachorro

Além disso, Vagner Sales também esbarra na vontade do filho Fagner de manter sua candidatura até o fim, mesmo com os sinais claros de que ele não estará nem em segundo lugar na disputa. Em reuniões familiares, Fagner teria dito que a retirada de seu nome seria admitir a derrota por antecipação e que, na campanha, com o horário do rádio e TV da propaganda eleitoral, ele teria condições de crescer, razão pela qual ele quer manter-se na disputa até o fim. Vagner Sales, mesmo sendo um pai autoritário, teria ficado calado e sabe que, nesta disputa, é um campeão de votos batido, um caçador no mato e sem cachorro.

Sargento Adonis

Adonis cresce porque a população sabe do passado

Enquanto isso, o candidato do PSL toca sua campanha numa maré de tranquilidade, assistindo, de camarote, o desespero da família Sales do MDB com o decréscimo dos números em relação ao candidato Fagner. A candidatura de Zequinha Lima e Henrique Afonso também não preocupa a candidatura de Sargento Adonis porque a população conhece os dois desde os tempos em que eram militantes do PC do B, um partido que não conta com a simpatia da população de Cruzeiro do Sul, que é conservadora, religiosa e que não aceita o ateísmo dos comunistas, por mais que eles tentem se transformar, como é o caso de Henrique Afonso, que agora se apresenta como pastor evangélico.

Porque Sargento Adonis é realmente o novo na política

Outro fator de crescimento de Adonis na aceitação popular é porque a população reconhece que a candidatura de Zequinha é apenas uma imposição do deputado estadual Nicolau Júnior, presidente da Assembleia Legislativa e que quer ser candidato a deputado federal em 2022. No caso, se eleito, Zequinha seria na Prefeitura apenas um preposto de Nicolau Júnior e as políticas públicas do município, por causa disso, seriam apenas as mesmas dos tempos de Vagner Sales e Ilderlei Cordeiro, das quais a população local não tem a menor saudade e de fato quer apostar no novo. E o novo, no caso, é Adonis, um cidadão que jamais se participou de política e muito menos dos desastre administrativo e político que campearam ao longo do tempo na Prefeitura de Cruzeiro do Sul.

Mentira tem pernas curtas...

Além dos problemas que enfrenta por ser exatamente um nome velho na política local, o candidato do PP à Prefeitura de Cruzeiro do Sul, Zequinha Lima, deverá enfrentar problemas com a Justiça Eleitoral ainda durante a campanha. Ele foi denunciado pelo MP Eleitoral por informações falsas à Justiça dando conhecimento da existência de pelo menos quatro partidos que não estão organizados em Cruzeiro do Sul. Com isso, pretendia obter pelo menos quatro minutos a mais de tempo na TV e no rádio durante o horário eleitoral gratuito. Constatado que os partidos não existem e como mentira tem pernas curtas, o PP foi comunicado do problema e que seu tempo de TV diminuiria. Deve haver punições para o problema.


Itamar renuncia a candidatura em Marechal

Ainda sobre eleição no Juruá, consta que, por problemas jurídicos, o ex-prefeito Itamar de Sá, do PT, deve retirar sua candidatura da disputa pela Prefeitura de Marechal Thaumaturgo. Em seu lugar, deve assumir a campanha a atual esposa de Itamar, Carlane de Sá. Quando era prefeito, Itamar de Sá conseguiu eleger, também com o sobrenome de Sá, a ex-deputada Perpétua Carvalho, sua ex-mulher.


A militância aguerrida de Manuel Roque

Em Rio Branco, um dos segredos da aceitação do nome do empresário Jarbas Soster como candidato a prefeito pelo Avante, é a militância e o ativismo do empresário Manuel Roque, que, mesmo em meio aos negócios, faz política 24 horas por dia. Acreditado e disposto, ele é a mão invisível do candidato por onde ele passa. Indo sempre à frente defendendo os nomes dos candidatos a vereadores da sigla e do próprio Soster. Graças a isso, os pensadores da política local concluem que o Avante pode vir a fazer até dois vereadores em Rio Branco. Em campanhas passadas, pelo PHS, Roque demonstrou do que e capaz e elegeu vereadores e até deputado estadual.

Comentários