Delegado da PF no Amazonas, Alexandre Eduardo Fontes, deu novas declarações sobre as investigações dos assassinatos do indigenista Bruno Pereira e o jornalista Dom Phillips Superintendente da PF no Amazonas, Alexandre Eduardo Fontes
Rede Amazônica
Novas declarações feitas pelo superintendente da Polícia Federal (PF) no Amazonas, Alexandre Eduardo Fontes, ao Jornal Nacional, em reportagem divulgada na noite desta quinta-feira (23), não descartam um envolvimento de um mandante na morte do indigenista Bruno Pereira e o jornalista Dom Phillips.
“É possível ter um mandante. A investigação ainda está em andamento, mas a gente está apurando tudo e nós vamos deixar nenhuma linha investigativa de lado e vamos apurar de forma técnica e segura para dizer o que efetivamente aconteceu e o que não aconteceu”, disse o delegado.
PF faz perícia em barco no qual Dom e Bruno viajavam no dia em que foram assassinados
No dia 17 de junho, a PF divulgou que as investigações sobre a morte de Bruno e Dom apontam que não houve mandante ou organização criminosa envolvida no crime.
A nota divulgada pelo comitê de crise, coordenado pela PF, diz que a apuração continua e novas prisões podem ocorrer, mas as investigações “apontam que os executores agiram sozinhos”.
Perícia na embarcação
Na manhã desta quinta-feira (23), os peritos foram até o galpão onde a lancha está guardada, em Atalaia de Norte. Além do casco da embarcação, foram analisados o motor e galões de gasolina.
A polícia localizou a lancha, no domingo (19), no fundo do rio Itacoaí. A embarcação estava a cerca de 20 metros de profundidade, emborcada com seis sacos de areia para dificultar a flutuação, a uma distância de 30 metros da margem direita do rio.
Os peritos vão tentar identificar vestígios de sangue, amassados e marcas de tiro na embarcação para refazer a dinâmica do crime. O laudo deve sair em ate 30 dias.
*Com informações de Alexandre Hisayasu, da Rede Amazônica