26/10/2020 68992202644

Destaque do Dia

ALEAC

Morre em Brasília Edson Luiz, o Edinho, um grande jornalista brasileiro

Ele trabalhou no Acre e deixou um grande legado e uma legião de amigos

Por Francisco Fabiano 08/10/2020 às 19:03:04

TIÃO MAIA, DO AMAZÔNIA AGORA

A gagueira que o acompanhava desde os primeiros passos até aos 60 anos de vida, não o impedia de ter, sempre, uma piada pronta e também de se tornar um dos maiores comunicadores do país. Assim era Édson Luiz Ferreira, o "Edinho", um dos grandes jornalistas brasileiros da atualidade e que faleceu nesta quinta-feira 08/10, em Brasília, por infarto a partir de complicações com a Covid-19

"Edinho" atuou como jornalista no Acre. Natural do Rio de Janeiro, trabalhou nos jornais "O Rio Branco" e "Gazeta do Acre", como repórter e editor. Foi eleito presidente do embrião do que seria o Sindicato dos Jornalistas do Acre (Sinjac), a Aja (Associação dos Jornalistas do Acre). Transferiu-se para Brasília nos anos 90 e no Distrito Federal firmou-se como o grande jornalista que era, trabalhando no Correio Braziliense, o Globo, o Estado de São Paulo e em outras publicações de vulto nacional., Foi também assessor de comunicação do Ministério da Justiça.

Amigos revelaram, no velório, que era sempre muito fácil brincar com ele porque, sempre de bom humor e com uma gagueira que muitas vezes insistia em acontecer no momento em que precisava dizer palavras começadas com a letra "p". Sua assinatura como jornalista gerava a piada com o trocadilho: "É de São Luís?". Não, Edinho era carioca, embora tenha iniciado sua carreira jornalística na região amazônica. Por muitos anos, foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo na região Norte, de onde trouxera uma segunda piada que era repetida pelos amigos.

Diziam que ele deixara um filho no meio da floresta que se chamava "Edson Luiz Agestado". Isso porque no seu crachá de jornalista havia Edson e Luiz, dois nomes pessoais, e a mãe da criança imaginara que Agestado, abreviação de Agência Estado, era o sobrenome… Mas essas são histórias humoradas que os amigos compartilhavam. Edinho deixou somente uma filha, Diana. Foi casado com a também jornalista Dilma Tavares, que aparece nesta fotografia em preto e branco na fundação da Associação dos Jornalista do Acre.

Foi pelo Estadão que Edinho, como os amigos chamavam, veio para Brasília. Aqui, trabalhou também no Correio Braziliense e na sucursal do jornal gaúcho Zero Hora, entre outros veículos. Foi ainda assessor de comunicação do Ministério da Justiça na gestão de Márcio Thomaz Bastos, durante o primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

Edinho foi internado há cerca de um mês no Hospital Santa Luzia para tratar de problemas no fígado e nos rins. Ali, porém, sua situação se agravou. Especialmente depois que contraiu, no hospital, a covid-19. Na quarta-feira (7), ele teve um infarto e, em seguida, colapso das funções vitais. Não resistiu. Edinho parte aos 60 anos. Deixa a filha Diana e um montão de amigos…

Uma fotografia reveladora - Na foto, em pé, da esquerda para a direta, Luiz Carlos Moreira Jorge, o delegado Waldecir Cunha (já falecido), um rapaz desconhecido, Socorro Souza, Antônio Alves (Toinho), Mauro Modesto, Flaviano Scheneider, Altino Machado e – lá atrás, aparecendo só as cabeças – Ramayana Vaz Vargens, Antônio Klemer, Pheyndews Carvalho (falecido), Tião Maia, Raimundo Nonato "Pepino", coronel Roberto ´Ferreira da Silva, Chico Araújo e Everaldo Maia de Queiroz; agachados: Elzo Rodrigues (falecido), Didi Romano, Edinho, Dilma Tavares, Emanuel Amaral (falecido), Adolfo Killian, José Lopes (falecido) e David Casseb.

Foi pelo Estadão que Edinho, como os amigos chamavam, veio para Brasília. Aqui, trabalhou também no Correio Braziliense e na sucursal do jornal gaúcho Zero Hora, entre outros veículos. Foi ainda assessor de comunicação do Ministério da Justiça na gestão de Márcio Thomaz Bastos, durante o primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

Edinho foi internado há cerca de um mês no Hospital Santa Luzia para tratar de problemas no fígado e nos rins. Ali, porém, sua situação se agravou. Especialmente depois que contraiu, no hospital, a covid-19. Na quarta-feira (7), ele teve um infarto e, em seguida, colapso das funções vitais. Não resistiu. Edinho parte aos 60 anos. Deixa a filha Diana e um montão de amigos…


Comentários