Etiqueta: covid

Mundo
Índia registra 379 mil casos de Covid em 24 h e leva mundo a novo recorde diário de infectados

Índia registrou nesta quinta-feira (29) mais um recorde mundial de novos casos de Covid-19 — o sétimo nos últimos oito dias — e levou o mundo a passar pela primeira vez dos 900 mil infectados em 24 horas.

Foram 379.308 novos casos no país e 904.893 no mundo, superando o recorde mundial anterior, de 899.755 infectados do dia 22. Os dados são do governo indiano e do “Our World in Data”, projeto ligado à Universidade de Oxford.

A Índia foi responsável por 42% de todos os novos casos do planeta nas últimas 24 horas.

Explosão de casos e mortes por Covid-19 na Índia: entenda em 5 pontos

O país registrou também um novo recorde nacional de mortes (3.645), pelo quarto dia foi a nação com maior número de óbitos do mundo e, sozinho, responde por 23% de todas as vítimas da Covid-19 do planeta nas últimas 24 horas.

Índia passa por um colapso em seu sistema de saúde e também funerário, em meio à explosão de casos e mortes por Covid-19 da segunda onda.

São 2,45 milhões de infectados e mais de 20 mil vítimas da Covid-19 só nos últimos sete dias. Atualmente, tem 18,3 milhões de casos confirmados, atrás apenas dos Estados Unidos (32,2 milhões), e 204 mil óbitos, atrás de EUA (574 mil), Brasil (398 mil) e México (215 mil).

Parentes lamentam a morte de paciente de Covid-19 do lado de fora de hospital em Ahmedabad, na Índia, em 27 de abril de 2021 — Foto: Ajit Solanki/AP

Parentes lamentam a morte de paciente de Covid-19 do lado de fora de hospital em Ahmedabad, na Índia, em 27 de abril de 2021 — Foto: Ajit Solanki/AP

Hospitais estão lotados, e profissionais de saúde enfrentam a pandemia com escassez de oxigênio e remédios. Sem leitos, doentes aguardam por atendimento em ambulâncias, em carros particulares e na rua.

Parentes desesperados recorrem ao mercado negro para comprar suprimentos e sofrem com golpes e preços exorbitantes. Com o sistema de saúde em colapso, muitos infectados morrem em casa.

Crematórios e cemitérios não conseguem atender à quantidade de corpos, e o número de funerais são muito maiores do que os balanços oficiais do governo. Cremações em massa têm sido realizadas em diversas cidades do país.

Familiares e profissionais de saúde usando EPI carregam corpos de vítimas da Covid-19 em um campo de cremação em Nova Délhi, em 27 de abril de 2021, durante a pandemia do novo coronavírus na Índia — Foto: Prakash Singh/AFP

Familiares e profissionais de saúde usando EPI carregam corpos de vítimas da Covid-19 em um campo de cremação em Nova Délhi, em 27 de abril de 2021, durante a pandemia do novo coronavírus na Índia — Foto: Prakash Singh/AFP

Ajuda internacional

Em meio ao caos sanitário no país, a comunidade internacional se mobilizou para enviar ajuda. O primeiro carregamento, com 100 ventiladores e 95 concentradores de oxigênio enviados pelo Reino Unidochegou a Délhi na terça-feira (27). Um carregamento da Rússia chegou nesta quinta-feira (29).

Estados UnidosFrançaAlemanhaCanadá e outros países também anunciaram que enviarão ajuda. Só os EUA vão enviar US$ 100 milhões em ajuda, incluindo insumos para a produção de vacinas.

A situação na Índia é “mais do que desesperadora”, declarou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, no começo da semana.

“A OMS está fazendo tudo o que pode, fornecendo suprimentos e equipamentos essenciais, especialmente milhares de tanques de oxigênio, hospitais de campanha móveis pré-fabricados e suprimentos de laboratório”, afirmou o chefe da OMS.

Carregamento de concentradores de oxigênio, ventiladores e outros suprimentos médicos enviados pela Rússia à Índia em 29 de abril de 2021 — Foto: Ministério de Relações Exteriores da Índia via AP

Carregamento de concentradores de oxigênio, ventiladores e outros suprimentos médicos enviados pela Rússia à Índia em 29 de abril de 2021 — Foto: Ministério de Relações Exteriores da Índia via AP

Flexibilização, aglomerações e nova variante

A disparada de casos e mortes ocorre após o governo indiano ter falado em “fase final da pandemia” em março e ter flexibilizado as medidas de combate à pandemia, liberando comícios eleitorais e festivais religiosos (veja no vídeo abaixo).

Os comícios do Bharatiya Janata Party (BJP), partido do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, continuam a ocorrer e a levar multidões às ruas mesmo com os recordes diários de casos e mortes.

VÍDEO: Devotos participam do ritual de banho durante pandemia na Índia

VÍDEO: Devotos participam do ritual de banho durante pandemia na Índia

Existe também a suspeita de que uma nova variante do coronavírus, a B.1.617, tenha contribuído para a gravidade da segunda onda no país (veja abaixo).

O governo indiano atribui a explosão de casos e mortes ao não uso de máscaras pela população e ao desrespeito ao distanciamento social.

Especialistas apontam como causas também a nova variante e o próprio governo, que se recusa a adotar um lockdown nacional e tenta responsabilizar as autoridades estaduais pela situação fora de controle.

Pessoas caminham em mercado lotado em meio à pandemia nos bairros antigos de Délhi, na Índia, em 6 de abril — Foto: Anushree Fadnavis/Reuters

Pessoas caminham em mercado lotado em meio à pandemia nos bairros antigos de Délhi, na Índia, em 6 de abril — Foto: Anushree Fadnavis/Reuters

Em meio às críticas ao enfrentamento da pandemia, o governo indiano pediu ao Twitter que tire do ar dezenas de posts que critiquem o governo — e a empresa diz ser obrigada a atender à solicitação, devido a uma lei do país.

A variante indiana

Suspeita de ser um dos motivos da segunda onda na Índiaa variante B.1.617 já foi detectada em pelo menos 17 países. E ela ainda provoca muitas dúvidas.

A OMS diz não saber se o maior índice de casos e mortes no país se deve ao fato de a cepa ser mais agressiva, à situação do sistema de saúde indiano ou a ambos.

Segundo a organização, a segunda onda pode ter sido causada por “outros comportamentos”, como o não cumprimento de restrições sanitárias e o elevado número de aglomerações.

A OMS classificou a cepa indiana como uma “variante de interesse”, não como “preocupante” (VOC), que são as mais perigosas (mais contagiosas, mais letais e capaz de resistir a vacinas).

Atualmente, as variantes classificadas como “preocupantes” são a brasileira, a britânica e a sul-africana.

G1

Cotidiano
Presidente da CPI da Covid: Brasil não fez nada para impedir entrada do vírus

Favorito para ser o presidente da CPI da Covid no Senado, Omar Aziz (PSD-AM) afirmou, no domingo (18), que o país não tomou as providências para impedir a entrada do vírus. Durante a entrevista à GloboNews, o parlamentar afirmou ainda que não está disposto a fazer “negociata” com o governo federal para mudar o escopo da investigação.

“Vamos chegar em uma semana a mais de 400 mil óbitos. Em outubro de 2019, todos os cientistas, as pessoas que trabalhavam no Ministério da Saúde já sabiam que a pandemia ia chegar no Brasil O Brasil não fez absolutamente nada para impedir a entrada do vírus no início. E eu vou ficar pensando em negociata com o governo? Com pessoas morrendo de oxigênio no meu estado? Não tem como”, afirmou.

Na sexta (16), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que o início dos trabalhos da CPI da Covid devem iniciar em 22 ou 27 de abril.

Cotidiano
Erro leva 46 pessoas a receber CoronaVac em vez de vacina da gripe

Um erro fez com que 46 pessoas fossem vacinadas indevidamente contra a covid-19 em Itirapina (SP). Frascos da CoronaVac, vacina anticovid da farmacêutica Sinovac, foram enviados para um local onde se realizava a imunização contra a gripe.© Tânia Rêgo/Agência Brasil Doses da CoronaVac, vacina anticovid da Sinovac, foram enviadas para local onde se realizava vacinação contra a gripe

Receberam por engano a CoronaVac 28 crianças e 18 adultos –entre eles uma mulher grávida.

Nenhuma anormalidade foi detectada até o momento, de acordo com a prefeitura de Itirapina.

A administração afirmou que percebeu na 4ª feira (14.abr.2021), durante controle no estoque de vacinas anticovid, que faltavam 46 doses da CoronaVac.

Imediatamente verificou-se a possibilidade de erro praticado por uma técnica de enfermagem ao separar a caixa contendo os frascos da vacina, o que acabou confirmado”, disse a prefeitura em comunicado (íntegra – 108 KB).

Depois de detectar o erro, a Secretaria da Saúde da cidade entrou em contato com a Vigilância Epidemiológica de Piracicaba para receber orientações de como proceder.

As pessoas vacinadas indevidamente terão acompanhamento médico por 14 dias. Passaram por consultas médicas 26 delas, incluindo a mulher grávida, nessa 5ª feira (15.abr).

Todas as providências para a segurança dessas pessoas foram tomadas e, segundo orientação dos médicos especialistas consultados, o fato não traz riscos para a saúde dos envolvidos”, lê-se no comunicado da prefeitura.

“A Secretaria Municipal de Saúde informa ainda que as providências na apuração de responsabilidades, na área administrativa e legal, também já estão sendo tomadas.”

Entretenimento
Tata Werneck chora ao falar de Paulo Gustavo: “Ele vai voltar”

A atriz Tata Werneck usou as redes sociais nesta quinta-feira (15/4) para comentar novamente sobre o estado de saúde do amigo Paulo Gustavo. O humorista está internado com Covid-19 desde 13 de março e, recentemente, precisou de doação de sangue.

Na função Stories do Instagram, Tata chegou a chorar e disse que o amigo “ficará bem”.

Paulo Gustavo, Thales Bretas, Gael e Romeu

E têm dois filhosReprodução/Instagram

Paulo Gustavo e Tata Werneck

Tata Werneck falou sobre o estado de saúde do amigoReprodução

Fabio Porchat e Paulo Gustavo

Tata Werneck falou sobre o estado de saúde do amigoReprodução1

Mais sobre o assunto

“Às vezes, quando falo de fé, as pessoas ficam ‘ué Tatá’. Tenho uma fé desde criança que me rege, que me guia. Tenho certeza que sem ela não sou nada. Muita gente falou que voltou a rezar o terço, fico muito feliz com isso. Estou muito feliz porque o Paulo vai ficar bem”, disse.

“Ele vai voltar, vai voltar transformado, vai voltar consciente da missão dele imensa. Ele já era de fazer rir, tenho certeza que vai vir com uma bagagem que só ele vai saber explicar. Ele vai voltar de uma maneira que ele tem que falar, então deixa ele voltar que ele explica, tá? Que ele fala melhor que eu. Te amo Deus, obrigada por cuidar dele”, declarou a artista.

Nacional
A CPI da Covid tá vindo!

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse, no sábado (10.abr.2021), que pretende ler em plenário, na sessão da próxima 3ª feira (13.abr.2021), o requerimento de criação a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da covid-19. A declaração foi feita em entrevista à TV Globo.Senador Rodrigo Pacheco presidindo a sessão do Senado© Sérgio Lima/Poder360 03.03.2021 Senador Rodrigo Pacheco presidindo a sessão do Senado

“Como presidente do Senado, eu recebi a decisão e vou cumpri-la na 1ª sessão do Senado Federal, que é na próxima 3ª feira. Farei a leitura do requerimento de abertura da CPI e serão tomadas as providências de instalação da comissão parlamentar de inquérito no Senado”, disse Pacheco.

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Roberto Barroso determinou, na 5ª feira (8.abr.2021), que o Senado instale uma CPI para apurar eventuais omissões do governo federal no combate à pandemia.

O senador também afirmou que não pretende atrapalhar na condução do processo. “Uma vez instalada a CPI, caberá ao seu presidente, ao seu relator, aos seus membros darem o rumo devido. Não haverá nenhum tipo de interferência da presidência do Senado pra poder prejudicar o trabalho da CPI”. 

Na última 6ª feira (9.abr.2021), Pacheco já tinha dito ao jornal Folha de S. Paulo que não moverá “um milímetro” para atrapalhar CPI) da pandemia.