Correspondente inglês morto no Vale do Javari será cremado domingo em Niterói. Viúva mostra aliança do marido, encontrada no Amazonas
Reprodução
O corpo do jornalista inglês Dom Phillips, assassinado no Vale do Javari, no Amazonas, chegou ao Rio de Janeiro nesta quinta-feira (23) em um avião da Polícia Federal (PF). A viúva dele, Alessandra Sampaio, recebeu da PF a aliança do marido (veja na foto acima).
Mais cedo, a família do correspondente informou que o funeral e a cremação do corpo de Dom serão neste domingo (26) no Cemitério Parque da Colina, em Niterói, na Região Metropolitana.
Dom Phillips: saiba quem é o jornalista inglês assassinado no Amazonas
Assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips: Profissão Repórter acompanhou buscas no Vale do Javari
Policiais federais e parentes de Dom Phillips acompanharam o traslado do corpo ao Rio
Reprodução/TV Globo
Durante a manhã de domingo, no local, será lido um pronunciamento escrito por parentes do jornalista.
Dom e o indigenista Bruno Pereira foram vistos pela última vez em 5 de junho, enquanto faziam uma expedição na região do Vale do Javari, no Amazonas.
Os corpos dos dois foram encontrados no dia 15. Laudos periciais confirmaram que eles foram mortos a tiros, com munição de caça.
Jornalista inglês Dom Phillips
Reprodução Twitter/@domphillips
Três homens já foram presos por terem participação no crime. Segundo a Polícia Federal, outros cinco homens que ajudaram a enterrar os corpos de Bruno e Dom na mata foram identificados.
Além disso, nesta quinta, um homem se apresentou à polícia em São Paulo dizendo que participou dos assassinatos.
A perícia apontou que Bruno foi atingido por três disparos, dois no tórax e um na cabeça. Já Dom foi baleado uma vez, no tórax. A embarcação usada pelos dois será periciada nesta quinta.
A motivação do crime ainda é incerta, mas a polícia apura se há relação com a atividade de pesca ilegal e tráfico de drogas na região.
Segunda maior terra indígena do país, o Vale do Javari é palco de conflitos típicos da Amazônia: desmatamento e avanço do garimpo.
Protesto após desaparecimento de Bruno e Dom
Reuters/Ueslei Marcelino