quinta-feira, novembro 30, 2023
Esportes

Fluminense decide título inédito da Copa Libertadores diante do Boca Juniors

O Fluminense disputa a final da Copa Libertadores com o Boca Juniors para fazer história e buscar o seu principal título continental. O confronto ocorre neste sábado, às 17 horas, no Maracanã, e é a chance do time brasileiro conquistar um título inédito. O time argentino corre atrás de seu sétimo troféu para igualar o seu maior rival, o Independiente.

É uma grande oportunidade para o clube carioca exorcizar a trágica perda do título para o LDU, de Quito, em 2008. O Fluminense perdeu por 4 a 2 no Equador, mas venceu no Maracanã por 3 a 1, com três gols do meia Thiago Neves. Na decisão por pênaltis, o time equatoriano venceu por 3 a 1, frustrando milhares de tricolores que lotaram o Maracanã.

Com uma grande campanha, com direito a um sonoro 5 a 0 em cima do River Plate no Maracanã, na fase de grupos, o Fluminense chega confiante nesta final. Após terminar líder de sua chave, com 10 pontos, eliminou o Argentinos Juniors-ARG nas oitavas e o Olímpia-PAR, nas quartas, se classificando com duas vitórias contundentes: 2 a 0 no Rio e 3 a 1 em Assunção-PAR.

Nas semifinais, um duelo brasileiro cheio de emoção contra o Internacional. Com um a menos pela expulsão de Felipe Melo e com a estrela de Germán Cano, o Fluminense buscou o empate por 2 a 2 no Maracanã. Na volta, no Beira-Rio, estava sendo eliminado até aos 35 do segundo tempo, quando perdia por 2 a 1, mas John Kennedy e Cano viraram para 2 a 1 e colocaram o time carioca na finalíssima.

O Boca Juniors tem trajetória totalmente contrária, podendo se tornar o “pior” campeão da Libertadores, sem ter vencido nenhum duelo de mata-mata. Terminou líder do Grupo F, mas na fase classificatória, foram seis empates, decidindo a vaga nas penalidades, com a estrela de Romero, goleiro vice-campeão do Mundo com a Argentina em 2014.

Os argentinos eliminaram o Nacional-URU, Racing-ARG e nas semifinais calaram o Allianz Parque, despachando o Palmeiras com Romero defendendo as cobranças de Raphael Veiga e Gustavo Gómez, após empate por 1 a 1 no tempo normal.

OS TIMES

O técnico Fernando Diniz terá todo o elenco à disposição e não deverá mudar a sua espinha dorsal. A única preocupação gira em torno do zagueiro Nino, que sofreu uma entorse no joelho esquerdo enquanto defendia a seleção brasileira. O defensor fez tratamento intensivo para atuar na final. Já o atacante John Kennedy, que sofria com uma pubalgia, está 100% recuperado para a final.

Existe a dúvida sobre qual esquema tático será utilizado de início. Um deles seria o 4-3-3, o mais usado pelo time na temporada, com um tripé de meio-campo formado por André, Alexsander e Paulo Henrique Ganso.

A outra opção seria bem agressiva e já usada por Diniz em alguns jogos, com a entrada de John Kennedy no ataque e a saída do volante Alexasander, com Ganso atuando mais recuado, ajudando André na marcação e exercendo a função de um segundo volante. Seria o 4-2-4, mesmo com eventual auxílio de Arias e Keno na recomposição de jogo.

Fernando Diniz foi pragmático na coletiva oficial desta sexta-feira. “Nós vamos fazer em campo o que fizemos e treinamos durante um ano e meia quando cheguei aqui. Nós já jogamos destas duas maneiras e tudo vai depender do jogo”, esquivou-se. “Estamos bem preparados para todos os cenários desta decisão, tanto durante o jogo, como nos pênaltis, se forem necessários”, completou.

A mesma confiança aparece nos seus jogadores mais experientes que à tarde foram fazer o reconhecimento do gramado da final. O meia Ganso, de 34 anos, se diz pronto. “Esperamos definir tudo em 90 minutos, mas estamos preparadores para os 120 minutos se for necessário e para os pênaltis”.

O goleiro Fábio, aos 43 anos, vai completar a marca de 100 jogos em Libertadores, aumentando o seu recorde de jogador brasileiro com maior participação no torneio continental. Ele também está bastante seguro da busca pelo título. “Vivo um momento especial, tanto técnico como fisicamente, que pode ser confirmado por esta marca atingida.”

O time carioca ainda conta com a experiência de Felipe Melo, de 40 anos, bicampeão com o Palmeiras, e de Marcelo, de 35 anos, que tem no currículo a conquista de cinco títulos da Liga dos Campeões da Europa pelo Real Madrid. Além do argentino Germán Cano, de 35 anos, já confirmado como artilheiro da atual competição, com 12 gols.

Do lado do Boca Juniors, o técnico Jorge Almirón terá dois desfalques. Expulso contra o Palmeiras, Marcos Rojo dará lugar a Valentini, que também era dúvida, mas se recuperou de uma lesão muscular. Outro que está fora é o atacante e joia do clube, Zeballos. Ele rompeu o ligamento do joelho durante partida no Campeonato Argentino. Como não era considerado titular absoluto, o treinador deve mandar a campo a mesma formação que chegou à final.

Destaque do time, o meia Barco não se intimida em atuar no Maracanã, casa do rival. “Será tudo do Boca. Eles (torcedores) virão em peso. Já estamos acostumados. No estádio será meio a meio, mas nos sentimos em casa, em todos os lugares. Vai ser tudo do Boca. O Fluminense joga bem, mas nós também jogamos, então vamos entrar em campo para vencer”, prometeu o meia.

Leia Também: Lionel Messi frustrado: “queria me aposentar no Barcelona, mas…”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *