sexta-feira, março 1, 2024
Nacional

Produção de comida responde por 74% dos gases-estufa do Brasil, diz estudo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Ligada ao desmatamento, a produção de alimentos no Brasil concentra quase 74% (73,7%) das emissões de gases de efeito-estufa do país. Desse total, a maior parte (78%) é gerada pela cadeia da carne bovina. A estimativa foi divulgada nesta terça-feira (24) pelo Observatório do Clima.

É a primeira vez que um estudo mapeia as emissões de gases-estufa de toda a cadeia produtiva de alimentos no país, calculando desde os gases gerados na abertura de novos terrenos para plantio e chegando até o combustível usado no transporte e na cocção dos alimentos, assim como na eletricidade usada nos supermercados.

Apesar da complexidade dos sistemas alimentares, o grande vilão das suas emissões é o mesmo das emissões totais do país: o desmatamento. Isso porque boa parte das áreas desmatadas são convertidas em áreas de pastagem e plantio.

Do total de 1,19 bilhão de toneladas de carbono emitidas por desmatamento no Brasil em 2021, pelo menos 1,01 bilhão estão ligadas aos sistemas alimentares, sendo que a produção de carne bovina responde sozinha por 0,98 bilhão de toneladas de carbono emitidas por desmatamento.

O estudo, que integra o Seeg (Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Observatório do Clima), considerou as emissões geradas no desmatamento para conversão de uso da terra para áreas agrícolas e pastagens, a queimadas dos resíduos da vegetação e ainda as emissões de carbono orgânico do solo, após a conversão para áreas agrícolas ou pastagem.

Logo atrás do desmate, o segundo maior emissor dos sistemas alimentares é o próprio setor agropecuário, que em 2021 emitiu 600 milhões de toneladas de carbono equivalente (que inclui outros gases). Dois terços (400 MtCO2) são emissões da pecuária.

Apenas o processo de fermentação entérica –popularmente conhecida como o arroto do boi– responde por 382,6 milhões de toneladas de CO2, ou quase 64% das emissões totais dos sistemas alimentares.

O estudo calculou duas estimativas de emissões: uma geral sobre os sistemas alimentares no país, que em 2021 emitiu o total de 1,78 bilhão de toneladas de CO2, e outra dedicada à carne bovina, que sozinha contribuiu com 1,38 bilhão de toneladas.

Da porteira para fora, os pesquisadores também buscaram estimar as emissões do transporte dos alimentos, dos processos industriais e uso dos produtos, do gasto energético no comércio e no preparo da comida, calculando até mesmo as emissões dos resíduos.

Todas essas etapas, no entanto, somam apenas 10,8% das emissões dos sistemas alimentares. O uso de energia (elétrica e de combustíveis) responde por 5,6% das emissões dos sistemas alimentares, enquanto os resíduos emitem 4,2% do total. Já os processos industriais representam menos de 1% das emissões.

Os cálculos usam estratégias diferentes para cada setor, dependendo da disponibilidade de dados.

Em transportes, por exemplo, os pesquisadores partiram da participação de cada tipo de carga –fertilizantes, produtos agrícolas, bebidas, carne etc.– em cada modal de carga (rodoviário, ferroviário ou hidroviário), concluindo que as cargas dos sistemas alimentares usam 30% do transporte rodoviário, 28% do ferroviário e 18% do hidroviário. As emissões foram calculadas a partir da porcentagem de participação no setor de transportes, cujas emissões totais já são inventariadas.

A eletricidade usada nos supermercados e até mesmo as suas emissões indiretas –que sobem caso a energia venha de termelétricas, por exemplo– também entraram na conta, assim como o uso de gás de cozinha e refrigeradores.

O estudo conclui que o desmatamento faz subir as emissões do setor de alimentos e recomenda a implementação da rastreabilidade da cadeia produtiva, além dos planos de descarbonização da agropecuária.

“Também se mostra muito relevante a discussão sobre o impacto que mudanças de dietas, com o consumo de alimentos mais saudáveis e produzidos de forma mais sustentável, poderiam surtir em reduzir emissões”, diz o relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *